Pular para o conteúdo principal

O quê é pior: morrer ou navegar no tempo?

Capitão América foi assassinado com um tiro a caminho do julgamento.

Batman foi assassinado por raios ômega do deus maligno Darkseid.

Apague as últimas linhas e as reescreva.

Capitão América teve sua essência (“alma”?) arrancada de seu corpo e atirada num ciclo infinito de loops de sua vida, vivendo suas glórias e fracassos indefinidamente.

Batman foi arremessado ao longínquo passado do Universo DC e está navegando entre eras, fazendo ligações entre tramas confusas de Grant Morrison.

Batman de Grant Morrison

Morrison é um gênio!

Mas certamente se estabelece um padrão entre suas narrativas. Começam comerciais e desembestam para algo conceitual. Quando o editor é forte consegue contê-lo, quando não, acontece algo grandioso que os roteiristas em seguida tentam arrumar (veja o final de Novos X-Men, com a destruição em massa e a morte de Magneto).

Crise Final é uma boa história. Não é ruim, não é ótima, nem é excelente. Mas é uma boa história. Os enxertos é que cansam. E por enxertos leve em conta todos as infinitas interligações e relacionamentos com dezenas de séries da editora.

Mas certamente todo o período do escritor em Batman (a série norte-americana) e posteriormente a série Batman and Robin é um material de ótima qualidade, com no máximo uma história ou um arco ruim. No caso da série Batman acredito que Batman: Descanse em paz, exatamente o último, foi lisérgico demais. Em Batman and Robin um ou outro arco entre o número 4 e 10 talvez necessitasse ser mais comercial.

Morrison também é responsável por Grandes Astros: Superman, provando que sabe iniciar e terminar boas tramas, mas diversas vezes se perde no caminho. O meio de Grandes Astros: Superman não é exatamente o melhor da série. O filme já foi lançado por aqui.

Apenas em nível de curiosidade os primeiros trabalhos do autor com o homem-morcego são Batman: Asilo Arkham e Gothic, este último um arco da série Legends of the dark knight.

O Capitão América de Ed Brubaker

Brubaker faz parte da nova geração de autores americanos mais identificados com histórias autorais e tramas policiais. Isto não impediu que o autor trabalhasse nos X-Men, em Demolidor e no Capitão América, neste último sendo responsável por todo o quinto volume da série, assim como a retomada à numeração original e entre os eventos a morte e retorno.

O texto de Brubaker é bastante valorizado pela escolha adequada de bons artistas, em especial o Steve Epting, que teve uma passagem nos Vingadores nos anos 1.990 mas nunca tornou-se um nome de referência na indústria.

A construção da trama é bastante adequada e a morte do Cap parece ter vindo da cabeça de Brubaker (e não de Mark Millar responsável por Guerra Civil que pôs Cap e Homem de Ferro em lados opostos). A morte convence e o fato da vida dos personagens continuar durante vinte e quatro meses, antes de virem com a possibilidade do herói de guerra estar vivo faz com que o leitor sinta-se bem. Nos sabemos que o herói irá retornar, os detalhes são quando e como.

Claro que os vilões tornaram-se mais articulosos. Agora em vez de matar um clone, um MVA, um gêmeo, um gêmeo maligno, uma contra-parte inter-dimensional os nossos vilões preferidos enviam o corpo ou o espírito do herói caído para um eterno looping, sofrendo ao encarar as impossibilidades de corrigir a situação.

No Brasil o Capitão já voltou. Agora começa o Retorno de Bruce Wayne, que será publicado em A sombra de Batman.

Veja abaixo os resumos dos arcos ligados o quinto volume da série americana Captain America:

Os dez mais da década - Parte 6 - aqui.
Guerra Civil - aqui.


Captain America – Volume 5

1 – #01-07 – Tempo Esgotado
2 – #08-14 – O Soldado Invernal
3 – #15-17 – Rotas de Colisão
4 – #18-21 – A blitz do século vinte e um
5 – #22-24 – Os tambores de guerra
6 – #25-30 – A morte de um sonho, ato 1
7 – #31-36 – A morte de um sonho, ato 2
8 – #37-42 – A morte de um sonho, ato 3: o homem que comprou a América

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…