Pular para o conteúdo principal

A blitz do século vinte e um

BLITZ s.f. (do al. Blitz krieg.) Operação policial realizada com excepcional rapidez.

BLITZKRIEG s.f. (al. "guerra relâmpago".) 1. Palavra usada em 1939-1940 para designar os avanços fulminantes das tropas alemãs na Polônia, Bélgica e França. - 2. P. ext. Guerra Relâmpago. - 3. s.f. - Série mensal de guerra da editora DC Comics de curta duração. Mostrava a guerra sob a ótica dos alemães.

Grande Enciclopédia Larousse Cultural vol 5, páginas 804-805 e adaptação.

Em Captain America volume 5 #18-21 de Ed Brubaker e Steve Epting temos a quarta saga desta seqüência de história e que finalmente coloca todas as peças no lugar.

Seguindo a rota de Bucky, Capitão chega à Inglaterra onde descobre um plano de Lukin para atacar a sede de sua própria empresa e assim, afastar suspeitas de si.


Finalmente se confirma fatos que vinham sendo mostrados desde o início da série, o Caveira Vermelha manipulou Lukin e agora divide o corpo do general soviético com ele, dando chance para deliciosos diálogos.



Neste arco Lukin resgata o sobrinho-neto do Grande Mestre – um super-homem nazista – e o transforma em uma nova cópia do vilão. Capitão se alia à Union Jack (que também está aparecendo na série como distante coadjuvante desde o início) e Spitfire para combater uma milícia nazista contratada por Lukin chamada Raça Suprema.



Também se confirma que Bucky está recebendo informações do foragido Nick Fury, e finalmente o jovem tem a oportunidade de trabalhar com o Capitão enfrentando mais um Hibernante (uma série de robôs criados por tecnologia nazista que o Caveira usou em várias oportunidades). Apesar disto Bucky foge antes de conversar com o amigo.

Ossos Cruzados e Pecado pretendem um ataque à Lukin, mas reconhecem o Caveira no corpo do soviético e aceitam submeter-se à suas ordens. O único senão fica por conta do Caveira impedir que Pecado mate Sharon Carter quando tem uma oportunidade, por conta dos tais planos malignos dos vilões. Fora isso o arco continua funcionando muito bem.



Captain America – Volume 5

1 – #01-07 – Tempo Esgotado
2 – #08-14 – O Soldado Invernal
3 – #15-17 – Rotas de Colisão
4 – #18-21 – A blitz do século vinte e um
5 – #22-24 – Os tambores de guerra
Guerra Civil
6 – #25-30 – A morte de um sonho, ato 1
7 – #31-36 – A morte de um sonho, ato 2
8 – #37-42 – A morte de um sonho, ato 3: o homem que comprou a América
9 – #43-45 – Flecha do tempo
10 - #46-48 – Velhos amigos e inimigos
11 - #49 – A filha do tempo
#50 – Dias que se foram

Capitão América, retorno à numeração do primeiro volume
# 600 – Comemorativa de 600 números!
1 – # 601 - ??? – Sangue vermelho, branco & azul

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…