Pular para o conteúdo principal

Guerra Civil (2006)


Enquanto a DC estava perdida com sua frustrante e redundante Crise Infinita, a Marvel se encarregava de criar sua própria dose de frustração para os leitores.

Guerra Civil de Mark Millar, Steve McNiven e Dexter Vines é, na verdade, parte de um grande projeto que tem percorrido a editora durante os últimos cinco anos.

Na série, após um acidente, quando uma equipe de heróis adolescentes que estava produzindo um reality show e que matou cerca de 800 crianças, as opiniões dos principais heróis do Universo Marvel se dividem.

Tony Stark (o Homem de Ferro), Reed Richards e Hank Pym acreditam que os heróis devem tornar-se uma espécie de polícia autorizada e treinada – o quê efetivamente acontece após a série com a Iniciativa dos 50 estados.

Capitão América e alguns vigilantes urbanos como Cage, Demolidor, Justiceiro, Jovens Vingadores e outros personagens acreditam que o sistema atual é funcional, ou, certamente não concordam com a imposição e os meios violentos que o grupo do Homem de Ferro utilizou para aliciar seus membros.

Ao longo da história há momentos interessantes. Há uma luta onde o Capitão é espancado pelo Homem de Ferro e um clone-ciborgue de Thor sem limitações morais mata o Golias Negro – um herói menor.

Depois há todo o problema em torno do Homem-Aranha, que, convencido pelo Homem de Ferro torna pública sua identidade, para depois mudar de lado e durante sua fuga ser espancado. As implicações de tonar pública sua identidade gerariam uma série de fatores em suas próprias séries mensais.

Há a divisão no Quarteto Fantástico, com Sue e Johnny do lado do Capitão com algumas conseqüências para a série mensal, já que ela responsabiliza Reed pelo falso Thor.


No final há uma grande luta em uma fortaleza na Zona Negativa e os heróis conseguem acionar um dispositivo de transporte junto com Manto (da dupla Manto & Adaga) e transformam um bairro de Nova Iorque em uma zona de guerra entre heróis e quase heróis (uma nova variação da equipe de criminosos regenerados Thunderbolts, agora somente com assassinos).

Claro que há o espaço para a luta entre o Capitão e Homem de Ferro, na verdade, um duelo de ideologias, e prestes a derrotar Stark, o Cap é atacado pela população civil. Decepcionado com a destruição provocada pelos ditos “heróis” Steve tira a máscara e se entrega.

É emitida uma anistia para todos os heróis, Stark é nomeado diretor da SHIELD e começa a Iniciativa dos 50 estados.

Ótima série principalmente porque pode ser lida sem os incontáveis cross-overs (mais de 100!), mas carece de um motivo maior para o Capitão América não aceitar a idéia – talvez na série do personagem. Não posso realmente imaginar que o Capitão não aprovasse o treinamente e a adequação dos heróis a um sistema judicial.

Excelente oportunidade de ver uma saga longa (sete meses) onde os heróis não lutam contra o inimigo, mas entre si, dando espaço para tudo de mal que virá a acontecer na editora.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…