Pular para o conteúdo principal

Guerra Civil (2006)


Enquanto a DC estava perdida com sua frustrante e redundante Crise Infinita, a Marvel se encarregava de criar sua própria dose de frustração para os leitores.

Guerra Civil de Mark Millar, Steve McNiven e Dexter Vines é, na verdade, parte de um grande projeto que tem percorrido a editora durante os últimos cinco anos.

Na série, após um acidente, quando uma equipe de heróis adolescentes que estava produzindo um reality show e que matou cerca de 800 crianças, as opiniões dos principais heróis do Universo Marvel se dividem.

Tony Stark (o Homem de Ferro), Reed Richards e Hank Pym acreditam que os heróis devem tornar-se uma espécie de polícia autorizada e treinada – o quê efetivamente acontece após a série com a Iniciativa dos 50 estados.

Capitão América e alguns vigilantes urbanos como Cage, Demolidor, Justiceiro, Jovens Vingadores e outros personagens acreditam que o sistema atual é funcional, ou, certamente não concordam com a imposição e os meios violentos que o grupo do Homem de Ferro utilizou para aliciar seus membros.

Ao longo da história há momentos interessantes. Há uma luta onde o Capitão é espancado pelo Homem de Ferro e um clone-ciborgue de Thor sem limitações morais mata o Golias Negro – um herói menor.

Depois há todo o problema em torno do Homem-Aranha, que, convencido pelo Homem de Ferro torna pública sua identidade, para depois mudar de lado e durante sua fuga ser espancado. As implicações de tonar pública sua identidade gerariam uma série de fatores em suas próprias séries mensais.

Há a divisão no Quarteto Fantástico, com Sue e Johnny do lado do Capitão com algumas conseqüências para a série mensal, já que ela responsabiliza Reed pelo falso Thor.


No final há uma grande luta em uma fortaleza na Zona Negativa e os heróis conseguem acionar um dispositivo de transporte junto com Manto (da dupla Manto & Adaga) e transformam um bairro de Nova Iorque em uma zona de guerra entre heróis e quase heróis (uma nova variação da equipe de criminosos regenerados Thunderbolts, agora somente com assassinos).

Claro que há o espaço para a luta entre o Capitão e Homem de Ferro, na verdade, um duelo de ideologias, e prestes a derrotar Stark, o Cap é atacado pela população civil. Decepcionado com a destruição provocada pelos ditos “heróis” Steve tira a máscara e se entrega.

É emitida uma anistia para todos os heróis, Stark é nomeado diretor da SHIELD e começa a Iniciativa dos 50 estados.

Ótima série principalmente porque pode ser lida sem os incontáveis cross-overs (mais de 100!), mas carece de um motivo maior para o Capitão América não aceitar a idéia – talvez na série do personagem. Não posso realmente imaginar que o Capitão não aprovasse o treinamente e a adequação dos heróis a um sistema judicial.

Excelente oportunidade de ver uma saga longa (sete meses) onde os heróis não lutam contra o inimigo, mas entre si, dando espaço para tudo de mal que virá a acontecer na editora.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…