Pular para o conteúdo principal

O ùltimo anel, uma outra visão sobre a Guerra do Anel

Este livro é inédito no Brasil, mas vale a pena dividir o conhecimento com meus leitores. A fonte da informação é o blog Para mais tarde recordar.

"
O Último Anel
de Kiril Yeskov
Saída de Emergência 2007

Gosto destes livros em que se mostra o outro lado do espelho. Neste livro, ao contrário da obra de Tolkien, não existe preto nem branco, tudo é muito cinzento. O bem e o mal andam de mão dada e os protagonistas normalmente assumem os papéis que outros escolhem por eles, a guerra do Anel com cheirinho a guerra fria. Serei sempre um fã de Tolkien mas não fiquei sentido por esta liberdade literária.

A Guerra do Anel terminou. Com mentiras e traições, os bárbaros supersticiosos da Aliança do Ocidente, ajudados por feiticeiros com intenções sinistras, conseguiram derrotar o povo orc, amante da paz, do progresso e das ciências. E agora começa a carnificina: aos vencidos aguarda-os o amargo regresso a casa, perseguidos por patrulhas de elfos que os querem eliminar. Falsamente acusados de canibalismo e crueldade, todas as desculpas são válidas para exterminar um orc, seja ele macho, fêmea ou até uma criança. Mas das cinzas da catástrofe pode extrair-se um resquício de esperança. Se a missão incumbida aos nossos protagonistas tiver êxito, talvez o sacrifício dos orcs não tenha sido em vão.


Kiril Yeskov mostra-nos o lado dos perdedores do mais famoso universo de fantasia, numa história brilhante, surpreendente e divertida, que já é um êxito internacional.


Yeskov recorre ao relato de um orc veterano logo após a derrota do seu exército perante a aliança de elfos e humanos. E conta-nos o outro lado da Guerra do Anel. É uma versão diferente porque se a História é escrita pelos vencedores, então quer dizer que há outra versão... a verdadeira História.

Kiril Yeskov nasceu na Rússia em 1956. É licenciado em Biologia pela Universidade de Moscovo e trabalha como investigador no Instituto de Paleontologia da Academia Russa de Ciências. É autor de quase uma centena de artigos e monografias sobre biogeografia histórica. Tendo participado em mais de trinta expedições zoológicas e geológicas à Sibéria, Ásia Central e Mongólia, considera que a sua experiência de contar histórias à volta de uma fogueira é provavelmente o fermento da sua actividade literária. Recebeu vários prémios no campo da literatura fantástica e a sua obra já se encontra publicada na Rússia, Polónia, Ucrânia, Bulgária, Israel, República Checa, Espanha e Portugal.

Crítica

    É um conhecido aforismo dizer­-se que são os vencedores quem escreve a História. O que levanta sempre a questão de saber que outras histórias existem por de­trás da versão dos vencedores. Kiril Yeskov, autor russo traduzido pela primeira vez entre nós, explo­ra com entusiasmo a versão Ore dos acontecimentos imortalizados na trilogia "O Senhor dos Anéis".

    A ideia, em si, não é nova, mas o li­vro, de 1999, antecipa em dois anos a célebre noveleta "Senator Bilbo", de Andy Duncan, cuja leitura seria um complemento ideal para este subversivo anel. Se Duncan nos narrava as negras consequências que advinham da vitória das "for­ças do bem" sobre Sauron, Yeskov obriga o leitor a identificar-se com Tserleg, um comandante Orc derrotado, dando-nos a conhecer uma perspectiva completamente inovadora e inesperada sobre a sua civilização (eminentemente pacífica e amante das artes e das ci­ências) e do pérfido ataque de que foram alvo por parte da maligna Aliança do Ocidente.

    Yeskov, autor com formação cien­tífica na área da paleontologia, põe os seus conhecimentos ao serviço de um "world building" digno do "Dune", de Frank Her­bert, um palco apropriadamente credível para uma narrativa ao mesmo tempo curiosa e empol­gante. E desde logo que é mais fácil simpatizar com os Orcs de Yeskov do que com Bilbo e os seus amigos.

    por João Seixas


"

Não há planos divulgados de publicação do livro no Brasil. Talvez com o hype em torno de O hobbitt, teremos alguma chance.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…