Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones, Diferenças: A prostituta, Season 2

Na segunda temporada a prostituta Ros retorna logo no episódio de estreia (The North Remembers) onde ela se apresenta em um cargo de gerência no Bordel de Petyr Baelish, treinando novas candidatas. A sequência, além de mostrar o crescimento da personagem, serve para exibir o fim de um dos bastardos de Robert Baratheon, cuja mãe desde a primeira temporada residia no bordel de Mindinho.





No episódio seguinte (The Night Lands) ela aparece lamentando o assassinato do bebê, que serve para reforçar a trama do massacre dos bastardos e também a indiferença de Mindinho em relação à ela e ao bebê. Ele deseja prostitutas que deem lucro, não que ficam lamentando-se enquanto estão com clientes.


No quarto episódio (Garden of bones) a Mão do Rei, Tyrion Lannister, acredita que o sobrinho e rei, Joffrey Baratheon precisa de um encontro íntimo com uma mulher para diminuir a pressão sobre seus ombros. A ideia não dá certo, e fica estabelecida apenas a crueldade do menino-rei que ordena que nossa prostituta preferida mutile a moça que veio com ela, sob pena dela própria ser mutilada!





Nossa querida personagem voltará apenas no oitavo episódio da segunda temporada (The Prince of Winterfell) agora envolvida no imbróglio entre Cersei e Tyrion Lannister. Cersei sabe que o irmão tem uma prostituta e acredita que capturou a pessoa correta. A Rainha Regente não aprova que a Mão do Rei encoraje o Rei Joffrey a ir ao campo de batalha, e então ameaça seu irmão explicando que cada ferimento que o menino-rei sofrer no campo de batalha a prostituta sofrerá um equivalente. Tyrion joga bem e finge que a moça capturada é a pessoa que lhe serve, promete libertá-la e jura ferir Cersei em breve. A sequência também serve para deixar claro que Tyrion realmente se importa com sua amante.




Esta sequência tem um equivalente no livro A fúria dos reis. No livro Tyrion esconde Shae – a verdadeira amante – numa residência em Porto Real cuja passagem é através de um bordel. Lá, antes de seguir para o encontro de Shae ele vai para um quarto “encontrar” com uma das prostitutas, que guarda segredo sobre o fato de Tyrion apenas usar o quarto como uma passagem para o encontro com a verdadeira amante. No livro Cersei captura esta moça e o Duende age da mesma maneira. É a partir daí que Shae vem para o castelo e passa a servir como aia.

Por no décimo e último episódio da temporada (Valar Morghulis), Lorde Varys, percebendo o poder de Petyr Baelish ampliou-se em demasiado, tenta estabelecer Ros como sua colaborada no jogo dos tronos de Westeros.





Veja aqui as aparições da personagem na 1ª temporada.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…