Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [2x10] - Valar morghulis

Arya Stark e seus amigos fogem de Harrenhall e encontram no caminho o salvador da menina, Jaqen que se revela um assassino sem rosto de Bravos. Ele dá à uma moeda que permitirá que o jovem Stark o encontre e compre uma passagem para a ilha.

Theon Greyjoy, cercado por tropas fieis aos Stark, é feito prisioneiro pelos próprios homens que tencionam levá-los para Pyke.

Osha, Hodor, Bran e Rickon saem das criptas para verem o Meistre Luwin às últimas e ele exige que Osha leve-os para a Muralha, para a proteção de Jon Snow.

Este, por sua vez, mata Qorin Meia-Mão e conquista um lugar nas fileiras de Mance Ryder. Claro que é parte de um plano, mas no livro fica claríssimo e na série não!

Enquanto Robb Stark casa-se com Milady Talisa, quebrando a promessa a Walter Frey, Brienne de Tarth e Jaime Lannister iniciam uma longa jornada para Porto Real.

Por sinal a cidade está em festa. Tywin Lannister é aclamado como herói. Lorras Tyrell, idem, o quê lhe permite propor que o rei tome a sua irmã – viúva de Renly Baratheon – como esposa. Após todo um ritual para estabelecer o rompimento com Sansa Stark, filha do “traidor” Ned Stark, Joffrey aceita o noivado.

Petyr Baelish é elevado à senhor de Harrenhal, alçando assim, um degrau importante de lorde – ele já era lorde, mas dos Dedos, uma região desimportante.

O eunuco, Lorde Varys, a aranha do reino, não gosta do rumo das coisas e tenta estabelecer uma rede de poder que envolva associados de Mindinho, ao mesmo tempo que leva Shae para o ferido, abandonado e desgraçado Tyrion, esquecido em uma torre distante. Apesar de sua estratégia vitoriosa, seu nome foi apagado dos registros da batalha que derrotou Stannis Baratheon.

Este culpa Melissandre e seu deus vermelho pela derrota, mas a sacerdotisa lhe dá visões que mostram um futuro melhor.

Daenerys recupera seus dragões e percebe-se agora como agente de seu destino e mais próxima de preparar uma

Na última sequência do episódio Sam Tarly vê-se diante de um ataque dos caminhantes brancos! Começou o ataque à Muralha!!!







































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…