Pular para o conteúdo principal

Super-Homem, 1ª série – Editora Abril Jovem

No distante julho de 1984 a Editora Abril Jovem iniciaria a publicação da linha DC Comics no Brasil. Super-Homem, Batman e a hoje pouco lembrada Heróis em Ação faziam parte do pacote inicial. Na primeira história tivemos “O demônio voador” (Superman Special # 1 –1983), cronologicamente recente, com argumento de Cary Bates e arte de Gil Kane.

Certamente o destino da DC naqueles primórdios teria sido outro se a Abril tivesse dado seqüência e publicado material de Action Comics com Wolfman e Kane nos créditos, o quê infelizmente eles só vieram a publicar em Super-Homem # 27 (set/86),quando um momento cronológico dos Novos Titãs permitiu. Realmente é lamentável, por quê assim além de termos simplesmente perdido a paciência com republicações de aventuras já editadas pela EBAL, nós tivemos a oportunidade de ver apenas o início do trabalho da dupla Wolfman & Kane, já que logo as aventuras seriam interrompidas para serem publicadas os eventos de Crise nas Infinitas Terras (cujos cross-over com a revista do Superman continuam inéditos) e em seguida a reformulação dirigida por John Byrne.

Graças à esta decisão e passo de tartaruga nas aventuras do herói tivemos a oportunidade de ver muito material bom de outros títulos como Legião dos Super-Heróis, principalmente a excelente Saga das Trevas Eternas, Ametista – A princesa do mundo de cristal, algumas histórias da revista DC Comics Present’s (que trazia encontros do Superman com outros heróis do Universo DC) e a Saga do DNA publicada no título Jimmy Olsen Pal’s Superman com texto e arte de Jack Kirby!


No número 38 começou a série O homem de aço (Superman: Man of Steel # 1 – 1986) e logo a revista do herói de aço também apresentaria a reformulação de Mulher-Maravilha por George Pérez, a reformulação do Capitão Átomo, além das aventuras do segundo volume da revista Superman, da nova The Adventures of Superman (que seguia a numeração do primeiro volume da revista Superman, porém agora com o novo título) e de Action Comics (que estava sendo dedicada a mostrar encontros do Superman com vários personagens do universo DC, e também era apresentada na revista Superamigos).

Lentamente estes coadjuvantes migraram para outros títulos, de modo que o herói de aço pudesse ter mais páginas em sua própria revista. Mulher-Maravilha foi para DC 2000 e depois voltou por um curto para a revista Super-Homem, para depois ficar muito tempo desaparecida do mercado nacional e só voltar a aparecer em Os Melhores do Mundo. Capitão Átomo teve aventuras publicadas em Os Novos Titãs e Liga da Justiça Internacional, mas sua série também retornou para Super-Homem antes da série americana ser cancelada. Legião dos Super-Heróis, que retornaria em seu segundo volume, depois de uma ausência sentida, teria poucas aventuras narradas aqui, e mudaria de casa para DC 2000 na fase em que a revista teve 160 páginas. Porém em um período de retração tivemos apenas a conclusão do segundo volume da Legião, onde a magia retornaria em um universo viciado pela utopia tecnológica.

Super-Homem seria o único título da DC não afetado pelo formato Diet DC que reduziu Novos Titãs, DC 2000 e Liga da Justiça Internacional à duas aventuras por edição em 52 páginas; mas lentamente ficou ainda mais claro que nada além de aventuras do Superman poderiam ser publicadas no título afinal logo após a saída de Byrne (em Superman v2 # 22) e depois da saga Exílio – onde o herói autoexila-se no espaço em decorrência do assassinato de três kryptonianos em um universo Compacto – o homem de aço voltaria a ter muito material mensal. Primeiro a revista Action Comics voltaria a publicar material do herói, depois de quase um ano em um formato semanal. E meses depois o herói ganharia um quarto título mensal Superman – The Man of Steel. Com isso Superman passou a ter mensalmente cerca de 100 páginas de quadrinhos!

Como cem páginas também não cabiam nas 84 páginas de uma revista padrão da Abril, o personagem ganhou edições especiais como Super-Homem Anual (Pânico nos céus).

Com o sucesso de A morte do Superman a editora lentamente avançou a cronologia do personagem publicando o especial A morte do Super-Homem, a minissérie Funeral para um amigo, o especial Super-Homem – Além da morte e a minissérie com 160 páginas por edição O retorno do Super-Homem. Assim quando o material anterior à morte acabou na edição # 125, houve um avanço do material que já havia sido publicado em especiais, e na edição # 126 simplesmente estávamos cerca de 10 meses à frente da cronologia do restante do Universo DC no Brasil.

A Editora Abril Jovem, aproveitando o sucesso do momento, lançaria a revista mensal Superboy (não é o personagem clássico, mas sim o garoto surgido durante O retorno do Superman) que dividiria a responsabilidade de publicar as aventuras do homem de aço. Como Superman tinha 4 títulos, dois ficavam em Super-Homem e dois em Superboy, e você era obrigado a acompanhar a trama em ambas as revistas, comprando uma e outra separadas por quinze dias.

Detalhe interessante para quem mora no interior do país é que desde a edição # 94 a revista do herói não estava sendo distribuída em todas as praças do Brasil e só normalizaria novamente a partir da edição # 126.

Por estar dividido entre Super-Homem e Superboy voltamos a ter espaço na série mensal para vermos material como Os Renegados. Porém como o DCU é muito integrado e logo haveria o mega evento Zero Hora e a cronologia do homem de aço, que estava adiantada, teve que ser “segurada”. A Abril optou por publicar os anuais americanos dos eventos Ano Um e Túnel do Tempo.

Com o início de Zero Hora houve o mês zero e todas as revistas foram canceladas.

Esta série durou 147 números terminando em setembro de 1994, sendo a maior numeração do Superman no Brasil já que a EBAL zerava as séries ao chegarem no número 100.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…