Pular para o conteúdo principal

A saga de Elric: Elric de Melnibone (1972), Livro 1

A partir de agora vou tentar estabelecer uma cronologia mínima para o aspecto do Campeão Eterno, Elric de Melnibone, criado pelo escritor inglês Michael Moorcock.

Para facilitar usarei as divisões de contos, depois reunidos em um único livro com uma única narrativa pelo autor. Assim como Moorcock avançarei e retroagirei ao sabor das leituras e releituras, tratando primeiro daquilo que creio ser mais importante. Posteriormente irei tratar de outros aspectos do Campeão Eterno, todos inéditos no Brasil, país onde foi lançado apenas a coletânea de contos A espada diabólica, no distante ano de 1.975.

Espero que se divirtam tanto quanto eu me diverti construindo este pequena cronologia.

Eric de Melniboné é o imperador da cidade Imrryr, descendente de uma nobreza em decadência. Fisicamente fraco, o imperador albino depende inicialmente unicamente de porções místicas para manter-se vivo e ativo e ocupar o Trono de Rubi, sendo o 428º descendente direto do primeiro Feiticeiro Imperador de Melniboné.

No Livro 1 da coletânea de contos Elric de Melnibone (1972, que advirta-se não é a primeira aparição do personagem), somos apresentados ao próprio Elric e a alguns personagens cruciais deste momento do anti-herói:
Dyvin Tvar & Yyrkoon
  • o amigo Dyvin Tvar, Senhor das Cavernas dos Dragões, capaz de defender o imperador mas ciente que a inação de Elric o fará perder o trono
  • o primo Yyrkoon, que deseja o trono para si e é capaz de grandes intrigas de bastidores para afastar Elric do trono. Tido por muitos como mais capacitado para ocupar o Trono de Rubi. Mas apesar do aspecto debilitado de seu primo, ele consegue ser um feiticeiro ainda mais poderoso que Yyrkoon.
  • Cymoril
    Cymoril, irmã de Yyrkoon e amada de Elric, teme a ambição do irmão ao trono assim como teme pela vida do amado.

Após uma extensa apresentação dos personagens e de suas características centrais, como o tédio de Elric em relação ao trono e a ambição de Yyrkoon em relação ao mesmo e uma descrição breve do estado de decadência da cidade de Imrryr, assim como o fato de seus dragões estão em descanso, descobrimos uma invasão dos Novos Reinos, o quê leva o imperador-feiticeiro e seu primo para uma batalha náutica, a qual será palco de uma traição, uma tentativa de regicídio.

A narrativa do conto é breve e forte. E Moorcock centra apenas em Elric e Yyrkoon para dar espaço às suas figuras, aos seus maneirismo. Dyvin e Cymoril são personagens acessórios, existentes apenas para criar a figura do amigo fiel e do amor que certamente terá um destino trágico.

Ainda assim é uma excelente narrativa, concisa, centrada e bem amarada. Ymrryr está em decadência, seu imperador não se importa com o fato e seu primo deseja o poder, para retornar Melniboné para seus dias de glórias. E não se deterá por nada!

Nota: As imagens deste post foram retiradas da série Elric of Melbinone edições #1-2. A série teve seis números, tendo sido publicada entre 1.982-84, e era uma produçãoda Star*Reach Production para a Pacific Comics. Os créditos da adaptação são Roy Thomas (script), P. Craig Russell (lay-out e finais) e Michael T. Gilbert (lápis).






Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…