Pular para o conteúdo principal

Demolidor: Amor & Guerra

Poderia uma obra que usa um clichê tão batido quanto o sequestro da pessoa amada para fazer alguém assumir um caso que não deseja, aqui limitado a obrigar um psiquiatra a recuperar as faculdades de Vanessa Fisk, esposa de Wilson Fisk, o Rei do Crime, torna-se uma obra de arte?

Sim. Se ela fosse pintada por Bill Sienkiewicz, que usa o argumento banal de Frank Miller de maneira engenhosa.

Para quem leu a clássica fase em Daredevil, republicada aqui em Os maiores clássicos do Demolidor de Frank Miller volume 1 a 4 não há surpresa na trama. Os temas clássicos da fase com submundo, domínio por um gênio criminoso, criminosos coadjuvantes que auxiliam ao herói sob pressão dos músculos deste último e um criminoso sob efeito de drogas (em muito semelhante a uma linha explorada pelo próprio Miller em A queda de Murdock – Born Again).


Mas é o delírio visual de Sienkiewicz que traz beleza à graphic novel e junto traz o suspense como a perseguição na casa do advogado Matthew Murdock digna do melhor Hitchcock (Psicose). Podia ouvir ao fundo Theme from Psico.

Não é o melhor trabalho de Miller... nem de longe, mas visualmente funciona tão bem com a arte de Sienkiewicz que torna-se um punho fechado na boca do estômago dos leitores e os arremata, ganhando em importância.

Lastima-se que os únicos trabalhos do artista publicados no Brasil após este graphic novel são Sombra (na segunda série de Batman), Elektra Assassina (de novo com Miller e já republicada pela Panini) uma saudoso passagem em The New Mutants e várias arte-finais para muitas séries da Marvel Comics, fazendo inclusive um excelente parceria com JM DeMatteis & Sal Buscema numa fase do Aranha.

Uma graphic novel por excelência por que une o texto (novel, inglês para novela, que quer dizer texto curto, maior que o conto) e apuro visual (graphic, aqui no sentido de arte gráfica) e que não poderia funcionar com apenas uma das partes.

Publicada no Brasil na clássica Série Graphic Novel #02 da Editora Abril há quase 25 anos!

Cabe à Panini resgatar esta obra, mas vem aí um reboot para cinema de “Demolidor” e talvez os leitores mais jovens tenham a oportunidade de lerem este clássico.








Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…