Pular para o conteúdo principal

Os Vingadores: Saga da Madona Celestial

(ou Os Vingadores: Mântis, parte II)

Em dos maiores imbróglios dos quadrinhos em The Avengers #129-135 e Avengers Giant Size #2-4 (1974/75) temos o retorno de Kang, o Conquistador, que agora deseja como esposa a Madona Celestial, que poderá ser Mântis, Feiticeira Escarlate ou a bruxa Agatha Harkness. No meio da trama uma das possibilidades é a Serpente da Lua, que substituiu a senhora Harkness.


Sem demora ele as sequestra as possíveis noivas, o que põe os Vingadores e Ramatut (uma versão de si próprio) ao seu encalço.


Após descobrir que Mântis é a Madona, Kang tenta matá-la, mas acaba matando o chatíssimo Espadachim, que na narrativa da série existe nos Vingadores apenas para cobrir o espaço do outro chato de plantão, Gavião Arqueiro. O enterro do amante de Mantis é feito no templo dos Monges de Pama, no Vietnã, próximo de onde a moça foi treinada e que iria permitir o retorno do sujeito.


Insatisfeito em complicar a trama, Englehart faz com que Immortus (uma terceira persona de Kang), resgate Kang e Ramatut do fluxo do tempo e aprisione o segundo, aliando-se ao primeiro.


Então Kang usa os aparelhos de Immortus para criar a Legião dos Mortos-vivos, para atacar os Vingadores. A Legião é formada por: o monstro de Frankestein, Magnum, o Tocha Humana original, Meia-Noite, o Fantasma e Barão Zemo original.


Na batalha Kang trai Immortus e o aprisionado Visão se fere gravemente. Resgatado por Frankestein (afinidades entre homens artificiais), Visão é levado ao Tocha que descobre uma terrível verdade!


Visão é o Tocha Humana original!


Então? Então uma edição de origens!


Immortus dá um centro à Visão e outro à Mantis que irá permitir viajar no fluxo do tempo e conhecer suas origens!


Estranhamente Immortus avisa que Visão deve seguir sozinho, e que Mântis pode ser acompanhada. Porquê? Byrne terá várias teorias quinze anos depois.


Temos então o relato da origem do Tocha Humana original, sua primeira clausura e seu retorno na década de cinquenta após uma explosão atômica. Porém esta radiação aumentou seu poder, fazendo com que ele escape ao seu controle.
Ele resolve sacrificar-se, e se desliga.


Anos depois seria encontrado pelo Pensador Louco, e seria usado contra o Quarteto Fantástico. Após a derrota Pensador alia-se à Ultron (robô criado por Hank Pym, que também tem sua história revista) e cede o Tocha para que Ultron faça modificações.


Ultron como sabemos, chamaria o projetista original que modifica o robô mas deixa as lembranças. Após uma reprogramação Visão ataca os Vingadores, e acaba unindo-se à equipe. O Professor, na narrativa, morre nos braços de Visão/Tocha.


Já Mântis, tem sua história iniciada em Hala, o mundo kree, quando os krees e os cotatis recebem a visita de cientistas skrulls que desejam decidir à quem ceder tecnologia.


Os krees retratados tem pele rosa, para meu estranhamento, já que eu pensava serem os peles rosas uma casta inferior e não os krees originais. Os cotatis são seres plantas que tem raiz ficada no chão, e lembram uma árvore falante.


Já os skrulls ainda não tinham desenvolvido instinto guerreiro, e eram apenas cientistas na prosaica missão de distribuir tecnologia aos necessitados na vastidão do espaço... ó!


Os skrulls então resolvem testar as duas raças.


Os krees são deixados na Área Azul da Lua da Terra, onde há oxigênio e constroem a cidadela que anos depois seria usada pelo Vigia. Já os cotatis reflorestam um mundo desértico. Acreditando que com os ideais pacifistas apresentados pelos skrulls, o resultado dos cotatis era mais interessante, os krees matam os skrulls e os cotatis. Em seguida dominariam a tecnologia, e anos depois atacaria o mundo skrull, dando início à histórica rivalidade.


Séculos depois já com uma sociedade militarista organizada, os krees expulsam um clã chamado Pacifistas de Hala, que secretamente encontraram sobreviventes dos cotatis.


Após um enfrentamento com o Caçador das Estrelas os Pacifistas conseguem convencer a Suprema Inteligência Kree a permitir que eles deixem seu mundo.


Assim, espalham-se pelo universo, enviando um casal de Pacifistas e um cotati para alguns mundos, entre eles a Terra, onde os Pacifistas iniciam a seita Monges de Pama, que anos depois treinaria Libra e sua filha Mântis.


Depois desta torrente informacional, os Vingadores retornam à Terra e encontram Espadachim, que foi enterrado em frente à árvore cotati que os Pacifistas trouxeram do espaço. Junto com o Espadachim está Libra.


Serpente da Lua chega para contar sua história, bem semelhante já que ela foi treinada por Monges Shao-Lin em Titã, uma divisão dos Pacifistas. Porém ela havia sido preparada para enfrentar Thanos.


Note que Englehart e Thomas tem a missão que sintetizar e entrelaçar uma década e meia de história Universal da Marvel Comics e conseguem criar uma narrativa crível. Muito cairia por Terra, mas um mesmo tanto permanece intacto.


Terminado o relato do Visão (nas edições os relatos alternam-se), o androide retorna à Mansão onde pede Vanda em casamento.


Thor, Homem de Ferro e Gavião Arqueiro enfrentam Kang em três versões, enquanto o vilão seqüestra Mântis! Mas é enganado por Immortus que envia um Fantasma do Espaço.

Mântis assume seu papel cósmico de providenciar a união entre a espécie humana e cotati e aceita casar-se com o Espadachim.


Immortus é quem celebra o casamento duplo, Espadachim e Mântis e Visão e Feiticeira Escarlate.


Após o casamento Mântis e Espadachim fundem-se à primeira árvore cotati.


A história do Visão seria alterada em West Coast Avengers e em Avengers Forever. Mantis retornaria em West Coast Avengers (edições inéditas no Brasil, anteriores à fase de Byrne) e ao papel de Madona Celestial em Avengers Celestial Quest (2001) inédita no Brasil. Nesta última série, também com argumento de Englehart os heróis enfrentariam Thanos, o deus-louco amante da Morte.


Texto Steve Englehart com o auxílio de Roy Thomas, desenho de Sal Buscema e Dave Cockrum e finais de Joe Staton, Dave Cockrum, George Tuska e Don Heck



























Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…