Pular para o conteúdo principal

Livros: A revolta de Atlas, volume 1

Às vezes temos uma ilusão que é passageira, mas nem sempre. Com este livro tenho a ilusão de que as pessoas deveriam ler obrigatoriamente dois livros na vida: o texto base de sua religião e a trilogia A revolta de Atlas de Ayn Rand.

Nascida em um regimento totalitário, Rand e sua família passaram necessidades após a Revolução Comunista de 1917. N aulas de história percebeu que o modelo de país que desejava para si era os Estados Unidos da América para onde foi em 1925, sob promessa, não cumprida, de retornar pouco depois.

Em 1957 escreveu Atlas Shrugged livro inspirado no objetivo e um porta-voz definitivo do capitalismo, do lucro e das consequências destes fatores para a sociedade.

Na trama a América é o último centro do poder econômico e o restante do mundo foi transformado em republiquetas populares, mas as ideias destes já impregnaram a nata do pensamento intelectual americano, fazendo com que pessoas desistam de suas vidas, ideais e lucros em prol de uma felicidade coletiva inalcançável e pouco objetiva. Engenheiros, banqueiros, filósofos e industriais desistiram de suas metas e os poucos restantes – os Atlas que carregam o mundo – se veem à mercê de pessoas incompetentes, ineficazes e políticos que promulgam leis e decretos com o objetivo intencional de dificultar a vida de quem está trabalhando.

Como se desistissem de suas vidas as pessoas apenas perguntam “Quem é John Galt?”, como se afirmassem que nada tem valor e suas vidas são apenas acasos.

Ambientado em uma época imprecisa, mas com elementos de ficção científica e mistério, o livro se concentra na figura de Dagny Taggart e Hank Rearden, ele inventor de uma nova fibra metálica que irá revolucionar os transportes e a produção e ela, responsável pela construção de uma ferrovia que irá permitir o escoamento de produção capaz de ainda manter a economia do país.

Com diálogos afiadíssimos o texto de Rand é daqueles que não dá vontade de largar antes da última página e a cada capítulo a uma centena de citações para administradores e pessoas que tem horror à interferência desenfreada do governo na economia.

Um livro definitivo!

A revolta de Atlas, volume 1 (de 3) (ISBN 978-85-99296-83-7) de Ayn Rand, 1957 – Editora Sextante, 2010.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…