Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead [3x04 & 05] – Killer Within & Say the word

Como já vinha comentando em post anteriores a série de TV The Walking Dead está cavando sua própria sepultura ao tentar conseguir um crescendo enorme de eventos. Após o eletrizante final da segunda temporada os expectadores esperavam um início igualmente eletrizante e novamente a canseira de meio de temporada.

Não é isto que está acontecendo.

Pode ser bom para a audiência, mas rapidamente as tramas dos quadrinhos estão sendo utilizadas de maneiras distintas e não se sabe exatamente o quê esperar da série. Não é possível manter um ciclo interminável de impacto após impacto em uma série de TV e The Walking Dead almeja isto.

A trama dos dois episódios e bem casada. Em Killer Within um dos prisioneiros dados como mortos retorna e facilita uma invasão de zumbis na prisão. T Dog é mordido e depois se sacrifica para salvar Carol, que desaparece, subentendendo-se sua morte. Na fuga, Lori entra em trabalho de parto e pede para Maggie fazer uma cesária – cirurgia que Carol estava se preparando para fazer, depois que Hershell perdeu a perna.

Lori morre durante a operação e Carl assiste a tudo.

Ou seja, em apenas um episódio três pessoas morreram!

No episódio seguinte este núcleo se concentra em conseguir a mamadeira para o bebê e controlar a ira de Rick. Não é um episódio mais calmo por que tem foco em Woodbury.

A cidade as tramas envolvem Andrea, Michonne, o Governador e Merle. Michonne está decidida a ir embora, mas Andrea acha confortável ficar na cidade, se enamorando com o diregente local. Michonne descobre a filha zumbificada do Governador e que após certo período ninguém entrou mais na cidade.

Merle pede ao Governador autorização para ir em busca do irmão, tendo como base a localização da fazenda de Hershell – fornecida por Andrea. O Governador não autoriza por achar que ele é importante para sua equipe. A desculpa oculta o fato de que ele não quer gente nova na cidade.

Michonne descobre sobre os hábitos de diversão de Woodbury e elimina os zumbi da prova. Governador chama a atenção dela e tenta cooptá-la para sua equipe, sem sucesso. Mente para Andrea então e separa as amigas. Michonne vai embora sozinha. Será que foi muito longe?

À noite Andrea descobre que em Woodbury há um sangrento esporte de luta em uma arena, onde os lutadores ficam cercados por zumbis amarrados. Mesmo com as explicações do Governador, ela acha aquilo nojento e extremamente perigoso.

Talvez Woodbury não seja o paraíso que ela estava acreditando.









Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…