Pular para o conteúdo principal

A morte do Capitão Marvel (1982)

(Quase 25 anos depois do lançamento no Brasil e 30 do lançamento nos EUA finalmente eu li “A morte do Capitão Marvel” [Marvel Graphic Novel nº1: The death of Captain Marvel]. 

Achei que não me importaria com a história de um homem e a aceitação da derrota a um inimigo maior e definitivo, o câncer. 

Ana Vitória (6), Ágata (nascida a 21/12/11) e Maria Paula (11)
Mas à medida que as páginas se passam vem à memória os amigos que já se foram e especialmente retorna a saudade de minha mãe morta em um AVC em 7/12/1.996 e de meu filho Kal'El que morreu duas semanas antes do parto em 2010. 

São feridas que nunca se curam e logo o tom de despedida da história faz as lágrimas virem aos olhos; não em função de páginas de homens e mulheres usando uniformes aberrantemente coloridos, mas em função da saudade das pessoas amadas, alguma ainda vivas como minhas filhas Maria Paula & Ana Vitória que moram com minha primeira esposa e nem sempre estão em meu convívio.

A (relativa) solidão e a saudade são sentimentos que trabalhamos e não nos deixamos conduzir por eles, mas certamente nunca aceitaremos de total. Admitimos a derrota em função de que não há outra opção. Mas é só. Se pudéssemos resistir, iríamos até o último instante.

O que me lembra Morte dos Perpétuos [da série Sandman] quando diz que não há vida maior ou menor e que todos recebessem o mesmo tempo de vida: uma vida inteira!)


A morte do Capitão Marvel primeira graphic novel da Marvel Comics foi concebida por Jim Starlin, autor que trabalhou com o personagem em uma memorável passagem nos anos 1.970. Independente da trama a história é o exorcismo do autor dos fantasmas provocados pela morte por câncer de seu pai.

A graphic novel é comovente não em função da história e arte em si, mas da identificação que o leitor tem com ela, pois é fácil ter perdido alguém querido.

Na trama, devido à exposição à gases tóxicos anos antes, o herói kree contraiu câncer e suas pulseiras fotônicas adiaram o desenvolvimento da moléstia durante muito tempo. Infelizmente as mesmas pulseiras não permitem atualmente a ação dos vários médicos, físicos e cientistas de um universo de heróis padrão.

A história narra um pouco da fase de negação – mais pelas pessoas ao redor, do que pelo herói em si – e a fase de aceitação dos limites. Temo então uma rápida narrativa da vida de Mar-Vell e seu relacionamento com as pessoas amadas que estão ao seu lado no leito de morte.

Uma grande história que não sofre com o “morre ressuscita” das editoras americanas, até por que o herói continua morto (o herói, a marca não, há outros “Capitães Marvel” na editora).

Indicado para adultos, não em função de cenas fortes, mas por que a trama necessita de alguém experiente na vida para absorver as sutilezas dela.

Publicado no Brasil em Série Graphic Novel #03 da Editora Abril.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…