Pular para o conteúdo principal

Y o último homem vol 7: Bonecas de Papel

Reunindo as edições #37-42 da série regular Y: The last man, este encadernado tem texto de Brian K. Vaughan, criador da série, e arte de Pia Guerra e Goran Sudzuka (lápis) e José Marzán Jr. (finais).

Bastante adiantado na publicação da série, que será conclusa com dez volumes, aqui temos a chegada de Yorick Brown, o último homem da Terra, à Austrália e a descoberta que sua eterna “noiva” teve um sonho e partiu para Paris para encontrá-lo.

Em missão para Yorick, sua irmã encontra a outra Beth e passa a ter um objetivo para sua vida, ao confrontar-se com uma ex-namorada grávida do irmão. É uma questão de responsabilidade/culpa que permeia a série e irá, lá na frente definir o posicionamento de um personagem.

Além disso, faz parte do encadernado mais duas edições one shot, uma com o recrutamento da Agente 3-55 e outra com o paradeiro atual de Ampersand e como ele veio cair nas mãos de Yorick.

Próxima parada: Japão!

Y é uma grande história, uma grande epopeia sobre um mundo onde uma praga misteriosa mata todos os portadores do cromossomo Y, exceto o jovem americano Yorick Brown e seu macaco capuchino Ampersand.

A história da série narra sua busca para reencontrar sua noiva Beth, perdida nos Outbacks australianos, e como com o auxílio da Agente 355 e bioquímica Allison Mann eles irão encontrar uma maneira de repovoar o mundo.

Há dois conflitos principais na série. O primeiro é se sem homens o mundo não estaria melhor? E havendo uma evolução, logo as mulheres e apenas elas encontrariam um jeito de procriar, e assim, manter a espécie?

E o segundo conflito é a culpa do sobrevivente. Yorick, longe de querer ser um “super-herói”, se arrisca para morrer de modo a evitar não só a culpa do sobrevivente, mas a responsabilidade de reconstruir a humanidade.

148 páginas. R$ 17,90.

Volume
Nome
Edições
01
#01-05
02
#06-10
03
#11-17
04
#18-23
05
Anel da verdade
#24-31
06
#32-36
07
Bonecas de papel
#37-42
08
Dragões de quimono
#43-48
09
Pátria-Mãe

10



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…