Pular para o conteúdo principal

John Constantine HELLBLAZER Origens volume 1: Pecados originais

A Panini Comics estreou uma estratégia para narrar em forma cronológica as aventuras de John Constantine em sua série JOHN CONSTANTINE, HELLBLAZER no Brasil.

Aqui o personagem sofreu bastante quando a Abril, detentora dos direitos de publicação da DC Comics saltou mais de quarto anos de produção entre o início da fase de Jamie Delano e o início da fase de Garth Ennis, bastante emblemática para o personagens.

As editoras que adquiriram os direitos do personagem se sentiram no direito de continuarem a publicar fases saltadas do personagem e somente na Pixel e posteriormente na Panini, as histórias passaram a serem publicadas em ordem cronológica.

Este início, chamado PECADOS ORIGINAIS é um dos melhores arcos do personagem e traz a dupla Jamie Delano e John Ridgway trazendo os horrores daquela cena inglesa: um pouco de yuppie, um tantinho de hippies e drogas para abrir a percepção, outro tanto de demônios, cruzadas evangélicas e envolvimento do mal na política – bem sutil, mas presente.

Em Fome (#1-2), John tem que auxiliar um amigo que aprisionou o espírito (ou demônio?) da fome, com graves consequências. Depois, durante as eleições inglesas conhecemos os demônios que negociam almas. Em seguida, Constantine conhece a misteriosa grafiteira Zed, que lhe auxilia na solução do sequestro de sua sobrinha, Gemma Masters e terá grande participação no volume seguinte. Sutilmente Delano toca no assunto das pessoas sem fé verdadeira que se aliam a grupos evangélicos apenas em busca de conforto financeiro; algo que não conseguiam em uma economia em recessão.

Para concluir, no coração da América orações trazem de volta filhos que partiram para a guerra com resultados terríveis.

Estava estabelecido o conflito místico que levaria ao volume seguinte e a sensação honesta de horror moderno e real provocado pela arte adequada para o quê se propunha a série de Ridgway – que teve breve passagem na série HELLRAISER.

Vale cada centavo e funciona em perfeita harmonia com os dois volumes seguintes, ainda que se praticamente auto concluso.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…