Pular para o conteúdo principal

Orion vol 2 (#6-11)


O arco seguinte da série Orion, que não tem uma chamada externa, compreende as edições Orion #6-11, onde Orion assume o trono de Apokolips e passa a enfrentar ameaças criadas por Desaad para destruí-lo. Nestas edições não há traço de resposta para a questão da paternidade, mas há ação suficiente para você não se importar com isso.

Um plot adicional mostra um milionário excêntrico assistindo ao vídeo da luta entre Darkseid e Orion – gravado e vendido pela Newsboy Legion – e desejando a cópia original do vídeo. Este milionário aparentemente mata jovens para manter-se jovem e não se sabe quais são suas reais intenções.

Outro plot se passa em Nova Gênese. Os cidadãos estão sendo influenciados por uma deusa chamada Meteorra, que passa a ideia que Orion é pior do que Darkseid, e que ele não estaria destruindo Apokolips, mas sim armando-o. Ao final do arco, ela captura Magtron.

O resto mostra Orion no poder, com direito a amigas íntimas como Mortalla (“a close... PERSONAL... friend of Lord Darkseid. Your father.”), que passa a acessorá-lo e cede sua caixa paterna, quando a caixa materna do novo regente deixa de funcionar, logo após a luta contra seu pai. Sem uma definição clara de a quem serve, Mortalla também está em coluio com Desaad, Vovó Bondade, Mantis e Kanto para destronar Orion.

Desaad ora envia Kalibak armado com um cinto dos deuses ancestrais, ora manipula Mantis para armar brocas infernais em Nova Gênese, obrigando Orion a ir atrás dele como uma resposta ao ataque ao mundo vizinho. Este tipo de ataque também é utilizado por Meteorra como argumento do projeto belicioso em Apokolips.

A grande surpresa é que Desaad mantém um laboratório de clones de Billion-Dolar Bates (um personagem da série original de Jack Kirby), tencionando conseguir a Equação Anti-Vida, o quê em vida Bates havia conseguido. A certa altura, depois de destruir vários clones, e perseguindo Desaad na Terra na cidade de Main Line, Nebraska (palco de eventos no primeiro volume), a Equação é utilizada para atacar Orion, que sofrendo mata Desaad e ganha a simpatia de Bates. O clone decide lhe ceder a famosa equação, objetivo da vida de seu pai.

Com um bom plot, bom desenvolvimento, excelente artes e até mesmo boas backups stories, este segundo volume de Orion consegue ser até superior ao primeiro, por mostrar que Walt Simonson tinha um plano armado para a série. Fica bem claro a decisão implícita de não mostrar Orion governando e centrar na aventura, levando o personagem a um esgotamento físico e mental, especialmente lembrando-se que a astro força está falhando e ele está tendo terríveis dores de cabeça.

Um excelente momento de Walt Simonson. Um excepcional momento para os Novos Deuses e todas as criações de Kirby.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…