Pular para o conteúdo principal

João das Fábulas: João de Copas/João Geada

A segunda metade da minissérie em quatro números da Panini Comics trouxe as edições #06-11 da série Jack of Fables, que situa o personagem João Hornes ainda em fuga.

No arco em duas partes João Geada (edições #6 e 11 da série original) o trapaceiro narra como se envolveu com Lumi, a Rainha da Neve e como conseguiu temporariamente seus poderes de inverno. Por Matthew Sturges & Bill Willingham com arte de Steve Leialoha (os beeeeeem mais antigos irão se lembrar que Leialoha, hoje finalista da série principal, Fables, já foi artista da primeiríssima série New Mutants da Marvel Comics, mais ou menos nos idos da Guerra Secreta II).

Já o segundo arco João de Copas (edições #7-10 da série original) mostra uma aventura de João e Gary (a Falácia Patética) em Vegas – e lembre-se o que acontece em Vegas, fica em Vegas. Lá inadvertidamente o trapaceiro torna-se herdeiro de uma fortuna em cassinos após casar-se com Holly Wagner e no número seguinte enviuvar, mas tem que enfrentar a Dama da Sorte – uma sutil versão da Rainha de Copas. Com arte de Tony Akins.

[Crítica]
Olhando agora vejo que a Panini acertou em publicar os 11 primeiros números juntos (talvez o encadernado original tenha este formato), por que a série não empolga realmente e comprar este primeiro ano em pílulas e a um preço menor, torna-se atrativo aos leitores de Fábulas. Ainda que este ou aquele personagem e esta ou aquela linha de narrativa seja um pouco menos rústico, tudo é muito baseado no fato de que João fosse um personagem com o qual você leitor se importa-se muito para seguir seus passos.

Não é apenas o caso de uma história mal contada, mas que a série é um apêndice de Fábulas e apêndices devem ser extirpados. Porém diante de um mercado que produz tantas histórias ruins, pode ser que o leitor utilize o critério da política e assim como vota no menos ruim, possa escolher uma série menos ruim para gastar seu rico dinheirinho.

(Ou poderia esperar, juntar e comprar um encadernado de Fábulas o quê seria um bom emprego para o dinheiro.)


Volume
Nome Arco/Encadernado
Edições
João das Fábulas #1-2
# 1-5
João das Fábulas #3
João Geada
# 6; #11
João das Fábulas #3-4
João de Copas
#7-10

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…