Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Y, o último homem volume 4: A senha

Enquanto a Panini Comics lança o quinto volume de Y a série que conta a história do último sobrevivente de uma misteriosa praga que extermina todos os portadores do cromossomo Y, chega nos rincões de MG o volume anterior.

Curiosamente a série Ex Machina não sofre tal delay apesar de não vender bem. (Como sei que Ex Machina não está vendendo bem? Basta ver o pacote oferecido aos leitores com três volumes. Se vendesse bem não teria sobra para fazer um pacote.)

Este quarto volume (A senha) traz mais dois arcos da viagem de Yorick Brown a São Francisco, acompanhado pela agente 355 e pela geneticista drª Allison Mann. O texto é de Brian K. Vaughan, a arte de A senha é de Pia Guerra e a arte de A passagem da viúva e de Goran Parlov e ambos artistas contam com os finais de José Marzan Jr.

Em A senha enquanto 355 e drª Mann buscam um remédio para Ampersand, a agente deixa Yorick sob a guarda de outra agente do Culper Ring, a agente 711, que explora a culpa de sobrevivente do jovem e tenta curar suas tendências pseudo-suicidas: católico e acreditando não ser merecedor de restaurar a humanidade, Yorick diversas vezes se põe em risco que modo que alguém o mate. É apenas uma outra forma de suicídio.

O segundo arco mostra o trio contra uma milícia que controla a passagem por uma estrada no Arizona. Com bom enredo mas nada de excepcional, o arco serve para expor a personalidade dos envolvidos e mostrar se a sessão com 711 surtiu efeito. O quê chama a atenção é a semelhança da arte da dupla Parlov/Marzan Jr. com José Luiz Garcia-Lopez.

No Kansas nasce o filho (isto mesmo, sexo masculino) da astronauta russa.

Apesar de não ser tão impactante quanto no primeiro momento da série, este encadernado que reúne as edições 18 a 23 da série americana, coloca um pouco o pé no freio para mostrar o desenvolvimento dos personagens e das tramas que irão vir em sequência. Lembre-se que a proposta é saber o quê o último homem faria, como seria o processo de restauração da humanidade (Inseminação? Clonagem?) e encontrar a amada dele – um devaneio romântico que o impede de copular com cada mulher que encontra.

Mesmo com impacto menor e atenção nos personagens, este encadernado é um prato cheio para fãs de uma boa história com início, meio e fim.

[Y - O último homem]
Volume 1 - Extinção
Volume 2 - Ciclos
Volume 3 - Um pequeno passo
Volume 4 - A senha
Volume 5 - Anel da Verdade
Volume 6 - Menina com Menina
Volume 7 - Bonecas de Papel
Volume 8 - Dragões de Quimono 

Extra: Os 10 mais da década de 2000

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…