Pular para o conteúdo principal

Y o último homem vol 6: Menina com Menina


A série Y the last man dura sessenta números e era de se esperar que alguns discorressem sobre o novo status geopolítico mundial. Esse volume mostra isto enquanto narra a travessia de Yorick Brown (o último homem na Terra, um nerd americano), Dra. Man (uma geneticista, que acredita ser possível clonar Brown) e a Agente 355 (agente do Culper Ring, ligada à presidência norte-americana) ao oriente usando um cruzeiro modificado em busca do macaco capuchino de Brow, Ampersand, que teria a resposta genética para a sobrevivência dele e de Yorick ao genecídio.

Diferente a teoria de mundo perfeito sem homens, o quê se vê é a continuidade da exploração da miséria humana e de seus vícios em busca do lucro, no caso drogas, que iriam de encontro com a necessidade da ampla população feminina no planeta.

Apesar de um rápido affair entre Man e 355, a agente é heterossexual e fica claro que tanto ela quanto Brown estão apaixonados, mas recusam a admitir. Depois do volume anterior (O anel da verdade), ainda se nota um Yorick excessivamente juvenil e comprável com artigos nerds e disposto a manter um celibato incompatível com a atual situação do mundo.

A austrália Beth, sua namorada, descobre através de sonhos alucinógenos provocados pelos aborígenes que Yorick ainda está vivo.

[Crítica]
É um volume de condução. Como não seria possível tirar Yorick e time dos EUA e por no Oriente, Brian Vaughan e Pia Guerra, criam uma trama interessante de aventura típica, com direito a envolvimento das Marinha Australiana e erros e acertos.

Além disso deixa claro que muitas mulheres recorrem ao homossexualismo numa situação tão extrema, em função da carência afetiva. Infelizmente também mostra de grande parte que não recorre a esta via, escolhe a via da fuga fácil das drogas.

A arte de Pia Guerra é linda e o texto de Vaughan é adequado, ainda que um pouco tímido sobre o fato que a lenda de que ainda existe um homem já tem 2 e ½ anos percorrendo o mundo e sobre a extensão das preferências sexuais.

É mais fácil entender o volume como um interlúdio geopolítico durante uma viagem de aventuras. Mas ainda assim está acima da maioria dos materiais disponíveis em banca.

[Y - O último homem]
Volume 1 - Extinção
Volume 2 - Ciclos
Volume 3 - Um pequeno passo
Volume 4 - A senha
Volume 5 - Anel da Verdade
Volume 6 - Menina com Menina
Volume 7 - Bonecas de Papel
Volume 8 - Dragões de Quimono 

Extra: Os 10 mais da década de 2000

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…