Pular para o conteúdo principal

O Soldado Invernal

Das edições 08 a 14 de Captain America volume 5 – com direito à interlúdio em realidade alternativa na edição #10, ligado à saga “Dinastia M” – há um arco que não come na cartilha da Marvel atual.

Tudo é revelado fácil, fácil e tudo funciona muito bem.

Sim, o Soldado Invernal é Bucky! Ele foi resgatado em 1945 por Karpov – também responsável por salvar Lukin ainda criança.

Usando técnicas de lavagem cerebral, Karpov o torna o “Codinome Soldado Invernal”, utilizando o jovem para cometer assassinatos chaves durante o período da Guerra Fria e colocando-o em êxtase ao final de cada missão.

Lukin, com medo da influência do cubo cósmico – que ele utilizou para adquirir várias empresas de tecnologia – envia o Soldado para enterrá-lo em uma casamata abandonada.

O Capitão que recebeu o dossiê completo do Soldado Invernal – enviado pelo Cubo Cósmico – se alia à Homem de Ferro e Falcão, mas o vingador dourado não pode prosseguir sob risco de parecer uma tentativa de destruir uma empresa rival.

Steve teme que Sharon Carter queira vingança do Soldado pelos últimos eventos do arco anterior – ele explodiu uma bomba atômica de pequeno porte dentro dos EUA e matou o namorado que Sharon tinha antes de iniciar esta série!

Ainda assim, ele, ela e Falcão – repetindo um trio famoso dos anos 1.970, mas com uma roupagem super atual – invadem a base, confrontam o Soldado Invernal e o Capitão usa o cubo para fazer Bucky lembrar-se de quem é!

Como é uma série de Ed Brubacker as coisas não devem ser felizes. Bucky revoltado com seus atos destrói o cubo e desaparece novamente! O trio pensa que ele morreu e ele surge na antiga base do exército onde conheceu o Capitão!

Existe uma piada recorrente nos quadrinhos que diz que o mundo irá (iria, talvez) acabar quando Bucky e Tio Ben retornarem. Às vezes colocamos outros personagens (os pais de Bruce, Gwen Stacy... ), mas realmente só resta hoje o Tio Ben e os pais de Bruce.

Bucky voltou e [e o mundo não acabou, assim] o que deveria ser uma banalidade sem tamanho tornou-se uma das melhores histórias em seqüência da Marvel.

Fica claro – claríssimo – que nada terminou ali, que estivemos vendo apenas a preparação para algo maior.

No quesito ação a história funciona, no quesito espionagem também e também no quesito deus ex-machina onde o cubo resolveria tudo!

Não resolveu!

O cubo é uma máquina infernal, podre. Contagia com seu toque todos que alcança. De certo modo impede que seus próprios possuidores tenham sucesso e isto não foi diferente com o Capitão no brevíssimo período em que teve o artefato.

Desfez décadas de lavagem cerebral do querido amigo, mas não ficou com ele. E além de tudo o próprio cubo forneceu a documentação para acabar com a honra do amigo. É pouco?

Com 14 edições houve dois arcos de seis partes (Tempo Esgotado e este), dois interlúdios (um sobre a vida de Jack Monroe e um cross-over com Dinastia M), e tudo continua tão intenso quanto na primeira edição.

Apesar de um dos mistérios – aparentemente – ter caído por terra o quê sustenta a série é outro tipo de tensão. Acima de tudo é a qualidade de um escritor novato que tem uma visão pessoal sobre os personagens e sabe utilizá-los para conseguir isto.


Captain America – Volume 5

1 – #01-07 – Tempo Esgotado
2 – #08-14 – O Soldado Invernal
3 – #15-17 – Rotas de Colisão
4 – #18-21 – A blitz do século vinte e um
5 – #22-24 – Os tambores de guerra
Guerra Civil
6 – #25-30 – A morte de um sonho, ato 1
7 – #31-36 – A morte de um sonho, ato 2
8 – #37-42 – A morte de um sonho, ato 3: o homem que comprou a América
9 – #43-45 – Flecha do tempo
10 - #46-48 – Velhos amigos e inimigos
11 - #49 – A filha do tempo
#50 – Dias que se foram

Capitão América, retorno à numeração do primeiro volume
# 600 – Comemorativa de 600 números!
1 – # 601 - ??? – Sangue vermelho, branco & azul

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…