Pular para o conteúdo principal

Os tambores da guerra

Em Captain America volume 5 # 22-24 há o arco Os tambores da Guerra que cronologicamente se passa antes e durante o confronto de Capitão América e Homem de Ferro em Guerra Civil # 03 – é fácil de identificar por que o Cap sai bastante ferido do confronto.

Escrito por Ed Brubaker e com arte de Mike Perkins o arco oferece respostas para a posição do Capitão na série principal da editora e acrescenta coisas que estavam acontecendo naquele momento, tornando tudo relevante para o personagem.

Maria Hill, diretora da SHIELD, avisa à agente 13, Sharon Carter, da posição de seu ex-namorado sobre a Lei de Registro e a recruta para traí-lo para uma armadilha!

Descobrimos que Sharon está em tratamento psiquiátrico com o médico residente da organização.

Carter até cria uma armadilha para trair o Capitão – eles transam novamente e finalmente o Capitão expõe sua visão sobre a Lei de Registro e os riscos inerentes – mas, na verdade, ela atraiu os agentes para outro local.

Traindo a organização com a pista falsa, Sharon é enviada para o tratamento psiquiátrico, e após descobrimos que seu médico é o Dr. Fausto! Fausto é um psiquiatra nazista, personagem clássico da série do Capitão América, responsável por aquela que durante anos foi considerada a morte de Sharon – ele fez lavagem cerebral e ela teria se suicidado.

Ele está em conluio com o Caveira Vermelha!

Bucky invade uma instalação da SHIELD e altera um MVA de Nick Fury, de modo que o verdadeiro possa usar o andróide para se comunicar com Sharon!

O espancamento do Capitão ocorre durante esta edição (#23).

Também é aqui que o Caveira estabelece laços do o Dr. Destino (vilão do Quarteto Fantástico) e troca tecnologia como pagamento de um favor.

Na última edição do arco Hill designa Sharon para encontrar Nick – a agente já estava em conluio com o ex-diretor e encontra-se com seu MVA – e há uma longa seqüência onde o Cap invade uma base da Hidra e depois tem que enfrentar um esquadrão da SHIELD que deve capturá-lo.



É um arco tenso, que aproveita o quê tem de melhor em Guerra Civil e mostra que tudo que Brubaker já havia construído casa perfeitamente com os acontecimentos da série.


Captain America – Volume 5

1 – #01-07 – Tempo Esgotado
2 – #08-14 – O Soldado Invernal
3 – #15-17 – Rotas de Colisão
4 – #18-21 – A blitz do século vinte e um
5 – #22-24 – Os tambores de guerra
Guerra Civil
6 – #25-30 – A morte de um sonho, ato 1
7 – #31-36 – A morte de um sonho, ato 2
8 – #37-42 – A morte de um sonho, ato 3: o homem que comprou a América
9 – #43-45 – Flecha do tempo
10 - #46-48 – Velhos amigos e inimigos
11 - #49 – A filha do tempo
#50 – Dias que se foram

Capitão América, retorno à numeração do primeiro volume
# 600 – Comemorativa de 600 números!
1 – # 601 - ??? – Sangue vermelho, branco & azul

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…