Pular para o conteúdo principal

Capitão America: Tempo esgotado

Ed Brubaker é um cara legal que teve uma história de vida forte e isso se traduz em suas séries mensais. GCDP, Demolidor e Capitão América são bons exemplos.

Capitão América é um personagem parcialmente esgotado, especialmente no período 1.992 a 2.004. Mark Gruenwald, famoso escritor e editor da Marvel Comics, conduziu bem o personagem depois de um período de excelência nas mãos de Roger Stern & John Byrne e Jean Marc DeMatteis & Mike Zeck.

Fez sucesso e introduziu novos personagens, mas após algum tempo, talvez em função da doença que o próprio atravessava, fez muita tolice.

Mark Waid
conseguiu restaurar o personagem, mesmo tendo que abrir mão de ressurgir com Sharon Carter – a eterna namorada, morta anos antes. Waid foi afastado para dar lugar à Rob Liefeld, que reiniciou a série. Liefeld se afastou antes da conclusão e depois a batata nas mãos de James Robinson, que só readaptou histórias clássicas para terminar a série.

Nova série, Waid de volta, sucesso inicial, mas logo o escritor briga com a Marvel e Captain America volume 3 vai para as mãos de Dan Jurgens, que fica muito tempo na revista, dando um ênfase de soldado contra forças terroristas. Neste período Jurgens usa uma soma de conceitos já usados à exaustão e outros nem tanto. Entre os nem tanto, gosto de pensar no potencial do personagem “O Monge do Ódio”, um clone de Adolf Hitler!

Em 2.001 começa o volume 4 da série que se aproveitou temporariamente do ataque terrorista ao World Trade Center em 11 de setembro de 2000. Uma temporada, por sinal, bastante confusa! Ira merecer um estudo detalhado depois.

Em 2.005, após o arco “Os Vingadores – A queda” o Capitão América inicia seu quinto volume, que também já foi encerrado e durou 50 edições. Após a conclusão da série a revista retornou para a numeração original a partir da edição Captain America # 600 – algo que tem sido feito pela indústria várias vezes, em síntese eles somam todos as séries do personagem e escolhem uma numeração milestone para retornarem.

Como desenhista temos Steve Epting, um bom artista que já havia trabalhado com os Vingadores na primeira metade dos anos 1.990. Além dele, em várias edições em narrativas de flashback durante a Segunda Grande Guerra temos a arte Michael Lark – que depois trabalharia em Demolidor com Brubaker.

No arco inicial “Tempo Esgotado”, as coisas são engatilhadas. Aleksander Lukin, general soviético renegado, há anos vinha vendendo tecnologia soviética e, em alguns momentos tentou trocá-las com o Caveira Vermelha em troca do Cubo Cósmico.

Assim que o nazista toma posse do aparato, Lukin envia o Soldado Invernal para matá-lo, o que faz rapidamente.

O Soldado Invernal cria uma intriga, de modo, que a suspeita recaia sobre Jack Monroe – o Bucky dos anos 1950, depois Nômade, agora um bêbado que ele assassinou.

Nick Fury levanta informações sobre o assassinato do Caveira Vermelha e como estão manipulando a SHIELD e o Capitão e descobre que tudo indica que o Soldado Invernal seja Bucky!

Além destes, temos Ossos Cruzados, que pretende continuar a trajetória de seu mestre e no lado do bem, Sharon Carter, a agente 13.

Já o Capitão está sendo representado como atleta no ápice da forma física, ainda que levemente obcecado em prender o Caveira – nos primeiros momentos ele acredita que é tudo um plano maior. No decorrer do arco surgem memórias novas sobre os eventos da Segunda Grande Guerra, memórias que traem informações anteriores. Poderia ser Lukin usando o Cubo Cósmico para alterar memórias?

Ou seja, um herói obcecado e confuso, amigos quase sempre desleais, um inimigo tombado e soldados deste dispostos a zelarem seu nome, um general manipulador, um cubo cósmico e mais perguntas do quê respostas.

E ainda assim – ou talvez mesmo, por isso – um dos melhores arcos da Marvel Comics daquele ano e certamente o início de uma das cinco melhores histórias do Capitão América de todos os tempos.

Veja em Captain America vol 5 # 01 a 06, e prólogo com a história de Jack Monroe na edição 07.



Captain America – Volume 5

1 – #01-07 – Tempo Esgotado
2 – #08-14 – O Soldado Invernal
3 – #15-17 – Rotas de Colisão
4 – #18-21 – A blitz do século vinte e um
5 – #22-24 – Os tambores de guerra
Guerra Civil
6 – #25-30 – A morte de um sonho, ato 1
7 – #31-36 – A morte de um sonho, ato 2
8 – #37-42 – A morte de um sonho, ato 3: o homem que comprou a América
9 – #43-45 – Flecha do tempo
10 - #46-48 – Velhos amigos e inimigos
11 - #49 – A filha do tempo
#50 – Dias que se foram

Capitão América, retorno à numeração do primeiro volume
# 600 – Comemorativa de 600 números!
1 – # 601 - ??? – Sangue vermelho, branco & azul

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…