Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 7

Continuando minha lista dos melhores trabalhos produzidos na década de 2.000 e que li.

7) Grandes Astros: Superman de Grant Morrison e Frank Quitely – Apesar de ter vendido bem, com tiragens superiores a 90 mil cópias nos EUA, não acho que All-Star: Superman foi completamente compreendida.

Se fosse seria leitura obrigatória!

Grant Morrison é acusado de ser hermético. Os Invisíveis, 7 Soldados e Crise Final provam a teoria. Novos X-Men, Homem-Animal e Batman a desconstrói.

Superman é a mistura disso. Hora é extremamente hermético, hora é extremamente cosmopolita.

Na história, ao contrário do que aconteceu em All-Star: Batman, Morrison não se preocupa em recontar a origem do Superman. Sim, ele o faz, mas sintético, o faz em duas páginas! Morrison prefere vôos maiores com os personagens, restaurando elementos de tantas épocas que seria impossível listar adequadamente.


Tudo de ruim que já houve com o herói está lá, mostrado de uma perspectiva diferente, superior, adequada a uma narrativa que continuará tendo relevância daqui a trinta, quarenta anos. E tudo de bom, ótimo, excelente, excepcional também está lá, melhorado!

Na trama, Superman ao fazer um salvamento descobre que contraiu um câncer e prepara-se para a morte meses no futuro realizando doze grandes trabalhos neste período.

Não posso deixar de citar três passagens:

I – Na trama um esquadrão de Kandor tenta mapear o câncer do herói, sem sucesso, mas isto não impede que eles interfiram na realidade e curem meninos com leucemia.

II – Numa das tramas o Superman constrói uma Terra sem sua presença e prova que se um mundo não tiver um super-homem ele o cria!

III – A mais bela de todas, que por sinal inspirou, uma tão bela quanto, homenagem no arco Sociedade da Justiça da América – O reino do amanhã. Uma menina está desiludida com a vida, tudo tem dado errado e ela se prepara para o suicídio que é impedido pelo Superman de uma maneira realmente tocante.

O traço de Frank Quitely é único, veja em edição nacionais da graphic novel Terra 2 e The Authority. Evoca em muitos momentos os estilos narrativos de Wayne Boring e Curt Swan, com quadros simples, nem muito rebuscamento; às vezes até muito mais simples do que deveria ser – tem uma seqüência na Fortaleza da Solidão com poucos itens no museu do homem de aço, se fosse uma história de Pérez teria trocentos itens com trocentas referência.

É definitivamente uma história para quem gosta do Superman e felizmente a DC pode dar continuidade ao projeto. Quando encerrou o volume havia boatos de uma edição especial centrada na Supergirl e um novo volume para breve, mas até o momento (janeiro de 2.010) não se voltou a tocar no assunto.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…