Pular para o conteúdo principal

Os 10 mais da década - Parte 7

Continuando minha lista dos melhores trabalhos produzidos na década de 2.000 e que li.

7) Grandes Astros: Superman de Grant Morrison e Frank Quitely – Apesar de ter vendido bem, com tiragens superiores a 90 mil cópias nos EUA, não acho que All-Star: Superman foi completamente compreendida.

Se fosse seria leitura obrigatória!

Grant Morrison é acusado de ser hermético. Os Invisíveis, 7 Soldados e Crise Final provam a teoria. Novos X-Men, Homem-Animal e Batman a desconstrói.

Superman é a mistura disso. Hora é extremamente hermético, hora é extremamente cosmopolita.

Na história, ao contrário do que aconteceu em All-Star: Batman, Morrison não se preocupa em recontar a origem do Superman. Sim, ele o faz, mas sintético, o faz em duas páginas! Morrison prefere vôos maiores com os personagens, restaurando elementos de tantas épocas que seria impossível listar adequadamente.


Tudo de ruim que já houve com o herói está lá, mostrado de uma perspectiva diferente, superior, adequada a uma narrativa que continuará tendo relevância daqui a trinta, quarenta anos. E tudo de bom, ótimo, excelente, excepcional também está lá, melhorado!

Na trama, Superman ao fazer um salvamento descobre que contraiu um câncer e prepara-se para a morte meses no futuro realizando doze grandes trabalhos neste período.

Não posso deixar de citar três passagens:

I – Na trama um esquadrão de Kandor tenta mapear o câncer do herói, sem sucesso, mas isto não impede que eles interfiram na realidade e curem meninos com leucemia.

II – Numa das tramas o Superman constrói uma Terra sem sua presença e prova que se um mundo não tiver um super-homem ele o cria!

III – A mais bela de todas, que por sinal inspirou, uma tão bela quanto, homenagem no arco Sociedade da Justiça da América – O reino do amanhã. Uma menina está desiludida com a vida, tudo tem dado errado e ela se prepara para o suicídio que é impedido pelo Superman de uma maneira realmente tocante.

O traço de Frank Quitely é único, veja em edição nacionais da graphic novel Terra 2 e The Authority. Evoca em muitos momentos os estilos narrativos de Wayne Boring e Curt Swan, com quadros simples, nem muito rebuscamento; às vezes até muito mais simples do que deveria ser – tem uma seqüência na Fortaleza da Solidão com poucos itens no museu do homem de aço, se fosse uma história de Pérez teria trocentos itens com trocentas referência.

É definitivamente uma história para quem gosta do Superman e felizmente a DC pode dar continuidade ao projeto. Quando encerrou o volume havia boatos de uma edição especial centrada na Supergirl e um novo volume para breve, mas até o momento (janeiro de 2.010) não se voltou a tocar no assunto.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…