Pular para o conteúdo principal

All-Star Superman (2011), o filme

Novamente a Warner Brothers fornece uma animação de qualidade baseada em uma história em quadrinhos publicada pela DC Comics.

Os produtores Bruce Timm & Alan Burnett, o diretor Sam Liu e o escritor Dwayne McDuffie adaptam o texto da série escrita por Grant Morrison e com arte de Frank Quitely, publicada em doze capítulos, chamada no Brasil Grandes Astros: Superman (Panini Comics). A hq é presença constante entre as listas das melhores produções da década (veja aqui).

Novamente temos uma adaptação, assim como foi Batman: Under the Red Hood. Algumas passagens inteiras da obra de Morrison são extirpadas como a luta com Bizarro e as passagens com o menino com leucemia e a garota suicida, além de toda a passagem sobre o fato de que a humanidade precisa da existência de um super-homem para lhe inspirar. Na obra, algumas dessas passagens são belíssimas, mas talvez não funcionassem tão bem na animação. Nota-se claramente que a história não perde nada com as mudanças, mas muda-se o tom para algo mais próximo do formato convencional de uma hq: vilão, atos malignos, humanidade em risco, herói ao resgate incapaz de salvar a si próprio.

A história fica menor em conflitos: Superman realiza um salvamento e percebe-se envenenado. Irá realizar algumas tarefas (os trabalhos hercúleos) e continuar sua missão sempiterna de guiar a humanidade até o último instante. Sem tantos conflitos tão próprios da obra de Morrison é mais fácil e acessível o acompanhamento da trama.

Lex ainda está lá como grande vilão do filme e ainda temos a participação de sua sobrinha, do Parasita e o computador tirano Solaris (também vilão de outra história de Morrison, o evento DC 1,000,000). Convence muito mais do que o bobo da corte de Superman Returns.

Com vozes de James Denton (Superman), Christina Hendricks (Lois Lane) e Anthony Lapaglia (Lex Luthor), a adaptação de All-Star Superman consegue dar à trama inicial um caráter menos saudosista e (apesar do traço, que emula Quitely) mais contemporâneo. Em função disto funciona muito bem, pois produz uma história com início, meio e fim.

Aconselho sem restrições.































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…