Pular para o conteúdo principal

All-Star Superman (2011), o filme

Novamente a Warner Brothers fornece uma animação de qualidade baseada em uma história em quadrinhos publicada pela DC Comics.

Os produtores Bruce Timm & Alan Burnett, o diretor Sam Liu e o escritor Dwayne McDuffie adaptam o texto da série escrita por Grant Morrison e com arte de Frank Quitely, publicada em doze capítulos, chamada no Brasil Grandes Astros: Superman (Panini Comics). A hq é presença constante entre as listas das melhores produções da década (veja aqui).

Novamente temos uma adaptação, assim como foi Batman: Under the Red Hood. Algumas passagens inteiras da obra de Morrison são extirpadas como a luta com Bizarro e as passagens com o menino com leucemia e a garota suicida, além de toda a passagem sobre o fato de que a humanidade precisa da existência de um super-homem para lhe inspirar. Na obra, algumas dessas passagens são belíssimas, mas talvez não funcionassem tão bem na animação. Nota-se claramente que a história não perde nada com as mudanças, mas muda-se o tom para algo mais próximo do formato convencional de uma hq: vilão, atos malignos, humanidade em risco, herói ao resgate incapaz de salvar a si próprio.

A história fica menor em conflitos: Superman realiza um salvamento e percebe-se envenenado. Irá realizar algumas tarefas (os trabalhos hercúleos) e continuar sua missão sempiterna de guiar a humanidade até o último instante. Sem tantos conflitos tão próprios da obra de Morrison é mais fácil e acessível o acompanhamento da trama.

Lex ainda está lá como grande vilão do filme e ainda temos a participação de sua sobrinha, do Parasita e o computador tirano Solaris (também vilão de outra história de Morrison, o evento DC 1,000,000). Convence muito mais do que o bobo da corte de Superman Returns.

Com vozes de James Denton (Superman), Christina Hendricks (Lois Lane) e Anthony Lapaglia (Lex Luthor), a adaptação de All-Star Superman consegue dar à trama inicial um caráter menos saudosista e (apesar do traço, que emula Quitely) mais contemporâneo. Em função disto funciona muito bem, pois produz uma história com início, meio e fim.

Aconselho sem restrições.































Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

A Saga do Quarto Mundo: Novos Deuses, volume 1 e 2

Ponto central a Saga do Quarto Mundo em New Gods (Novos Deuses em português) temos as aventuras de Orion sozinho ou auxiliado por Magtron e humanos. A parceria entre um deus e humanos seria evocada novamente em Os Eternos (1.976-78) do mesmo Jack Kirby. Em ambas as séries, após a parceria inicial os humanos seriam abandonados.

Aqui a macro-trama é que na Terra o deus maligno Darkseid tem pistas de uma fórmula chamada equação anti-vida ao qual deseja com objetivos próprios. Orion, filho de Darkseid mas criado pelo benigno Pai Celestial, é o nêmese de seu pai e está destinado a matá-lo.

Além de New Gods a Saga do Quarto Mundo foi publicada nos primeiros volumes das séries Mr Miracle (Senhor Milagre), Forever People (Povo da Eternidade) e Superman Pal's Jimmy Olsen (a única que não foi criação original de Kirby).

Originalmente New Gods foi publicada em série bimestral com onze números (março de 1972- novembro de 1972).

Em 1984 a DC Comics re-editou a série original em The New Gods,…