Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça da América: Os anos 1.970 – The Revival

Com o sucesso dos encontros anuais de verão com a Liga da Justiça, a Sociedade da Justiça da América, a primeira equipe de heróis, criada em 1.941, voltou a ter uma série regular em quadrinhos.

Teve duas oportunidades que fazem parte de um mesmo projeto de revitalização da equipe, que apesar de não ter sido iniciado por Paul Levitz & Joe Staton, mas sim por Gerry Conway, Ric Strada, Wally Wood & Keith Giffen, foi Levitz & Staton a equipe mais significativa do período.

A equipe esteve presente nas bancas estadunidenses de janeiro de 1.976 a dezembro de 1.979 (data de capa), nas séries All-Star Comics e Adventure Comics, sendo brevemente chamada de “Super Squad”, em referência à introdução de três novos membros no início das aventuras deste período.

A produção lembra as características de uma fase de ampliação da indústria. Durante este período a guerra entre Marvel e DC estava bastante acirrada. Se entre 1971-76 a DC queria fazer a diferença com Kirby (Novos Deuses, Demon, Kamandi, Omac, Justice Inc., Sandman), entre 76-79 a DC testou outras maneiras de tentar fazer frente ao crescimento significativo da concorrente e durante algum tempo conseguiu uma dianteira em função de filmes como Superman. A Marvel conseguiu reunir uma melhor equipe criativa e um grande editor-carrasco, Jim Shooter, que orientou seus funcionários a produzirem o melhor. E eles assim o fizeram, iniciando em 1.979 um período de domínio de mercado pela “Casa das Idéias” que ainda não se encerrou.

Foi neste período que houve o lançamento de uma arriscada estratégia de ocupação de prateleiras chamada pela editora de “DC Explosion”, mas devido aos erros, à redução de vendas e consequentemente de ocupação das tais prateleiras, a estratégia recebeu o nome pouco elogioso de “DC Implosion”.

Levitz, que no início da década seguinte faria um excelente “Legião dos Super-Heróis” não ousa nas tramas da Sociedade da Justiça e nem produz uma “equipe família” tão característica do período Geoff Johns. Produz sim, mais centenas de páginas de ação como dezenas de outros títulos do mercado e sua grande contribuição neste período é apenas a criação da Caçadora (filha do Batman e Mulher-Gato) e a tola morte do homem-morcego.

Certamente o fãs da Terra-2 (como eu, alias) irão perceber que foi neste período que a tal “Terra alternativa onde os heróis surgiram pouco antes da 2ª Guerra Mundial” tomou uma forma distinta da realidade vigente. O texto ainda no período Conway estabelecia que o Apartheid já havia acabado e que o Canadá tinha uma estrutura diferente. Finalmente a Terra-2 se tornava algo mais do quê apenas outra realidade e começava a fixar-se no imaginário com suas características próprias.

Vale mais pela curiosidade de conhecer todos os períodos da história da equipe, do que realmente pela qualidade do texto.

Sociedade da Justiça da América: Os anos 1.970
Antes: All-Star Comics #57

Sociedade da Justiça em All-Star Comics, Fase “Super-Squad” – Parte 1 (aqui)
Sociedade da Justiça em All-Star Comics, Fase “Super-Squad” – Parte 2 (aqui)

All-Star Comics presents The Legendary Justice Society of America, parte 1 (aqui)
A origem da Caçadora (aqui)
A origem da Sociedade da Justiça da América (aqui)
All-Star Comics presents The Legendary Justice Society of America, parte 2 (aqui)
All-Star Comics presents the legendary Justice Society of America, parte 3 (aqui)
Adventure Comics, I (aqui)
Adventure Comics, II (aqui)

Encontros com a Liga
14. Crisis in Eternity/Crisis on Earth-S/Crisis in Tomorrow! (1.976)
15. Crisis in the 30th Century (1.977)
16. Crisis from yesterday/Crisis from tomorrow (1.978)
17. Crisis above Earth-One (1.979)

Depois:
All-Star Squadron #01 (aqui)

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…