Pular para o conteúdo principal

Vamos começar pela o quê a maioria não sabe

A Caçadora é um personagem original da Terra-2 (e continua existindo lá, veja a edição Justice Society of America Annual (volume 3) # 1, já publicada no Brasil pela Panini Comics).

Criada por Paul Levitz & Joe Staton, por sugestão de Bob Layton que queria ver a Batgirl da Terra-2 na Sociedade da Justiça.

Isto é possível de ser visto no texto do editor de DC Super-Stars #17, edição que trás a origem da Caçadora, e que foi publicada pela EBAL. A edição trazia três histórias. Uma do Arqueiro Verde (publicada anos depois pela Ed. Abril), uma da Legião e uma da Caçadora.

Paul Levitz, no texto explica as razões da escolha de todos os três personagens, mas cortei e me concentrei na questão da Caçadora, que tem relação com o review que estou produzindo da Sociedade da Justiça.

Por sinal, as aventuras solo da personagem em Batman Family só serão alvo de review muito à frente quando terminar todo o material da Sociedade (são 75 anos!) e começar o material dos membros, e ela não é prioridade. Antes dela tem pelo menos uns 10 personagens, como o Gavião Negro que também é septuagenário mas estou com duas frentes (uma iniciada com a Guerra Sombria do Gavião Negro – aqui – e outra com Mundo Gavião – aqui).

Vou me aprofundar em outro momento, mas apenas para diferenciar esta Caçadora da personagem da Nova Terra (criada após Crise nas Infinitas Terras) devemos levar em conta que a nova versão é filha de mafiosos que teve seus pais assassinados. Age em Gotham City e tenta conseguir aprovação de Batman, sem sucesso. Durante Terra de Ninguém foi a Batgirl antes de Cassandra Cain.

Esteve presente em várias séries no Brasil, mas aconselho Batman vs Predador II (com arte de Paul Gulacy) e Robin III, como boas opções para conhecer o personagem. Foi coadjuvante na LJA de Grant Morrison, durante todo o arco Terra de Ninguém e mais recentemente em Aves de Rapina.

Quanto à origem: Em 1.955 depois de uma temporada de Selina Kyle na cadeia, Bruce Wayne casa-se com a ex-vilã, convicto que ela nunca havia tirado uma vida humana. Em 1.976, um ex-comparsa, de posse de uma foto que a incriminaria, a chantageia.

Com medo de envergonhar a família, Selina cede.

Naquela noite, Batman, já semi-aposentado faz uma ronda e surpresa – além de envergonhada – a Mulher-Gato cai para a morte.

A filha de ambos, Helena Wayne, que sempre soube da identidade dos pais, sendo treinada nas artes da investigação e apoiou Bruce nos últimos anos, além de seu “tio” Dick, que aparentemente deveria assumir o manto, resolve vingar a mãe assumindo a identidade de Caçadora (The Huntress, no original) e prendendo o chantagista.

Uma origem simples e direta, sem muita frescura. A linhagem do cavaleiro das trevas continua quando sua filha perde a mãe. Simples, rápida, direta e envolvendo mesmo sendo mexicana demais.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…