Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça da América em Adventure Comics, II

Em Adventure Comics #465 pelo “Countdown to a disaster” por Paul Levitz, Joe Staton e Dave Hunt nossos heróis tem a ingrata função de encontrar uma cápsula negra com veneno que poderá matar toda a população de Gotham City.

História padrão com cronômetro contando e bastante erros de avaliação. Termina com o Sr. Incrível original chegando a tempo do cross-over anual de 1979 com a Liga da Justiça (veja aqui), que iniciaria em Justice League of America v1 #171.

A segunda e última história desta fase (“O homem que derrotou a Sociedade da Justiça”) é narrada por Caçadora a sua amiga, Poderosa, permitindo aos leitores a oportunidade de ler a conclusão do encontro anual de 1.979 em Justice Leauge of America v1 #173. A história se passa em 1.951, meses após os eventos de All-Star Comics #57. Um criminoso é contratado para aprisionar a Sociedade e após ser derrotado a equipe recebe uma intimação para aparecer diante do Comitê de Atividades Não Americanas e explicar se estavam ligadas a potências estrangeiras. Um dos membros exige que como americanos a equipe revele suas identidades de modo que o Comitê possa rastrear seu passado.

A cena seguinte, já repetida em várias oportunidades, é emblemática. A Sociedade da Justiça desaparece do local após se recusar mostrar suas faces e ficaria doze anos sem agir, retornando apenas nos encontros anuais com Liga da Justiça (1963-1979) e na reestruturada série All-Star Comics (veja aqui). No universo unificado, sem a ação dos membros da Sociedade da Justiça, os EUA investiu em agentes secretos como a equipe denominada Força Tarefa X/Esquadrão Suicida. A moral da história é que um homem comum – um senador – pôde fazer aquilo que os criminosos não puderam – destruir a SJA.

Em Adventure Comics #466 (nov/dez, 1979) estava terminada mais uma fase da Sociedade da Justiça da América. Graças aos constantes encontros entre personagens de vários universos, aos encontros anuais da Liga/Sociedade da Justiça e a histórias de Caçadora nos títulos de Batman, a equipe não caiu no esquecimento.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…