Pular para o conteúdo principal

Elric: The making of a sorcerer (2004)

Publicado como minissérie em 2004 pela DC Comics, The making of a sorcerer narra o treinamento de Elric, filho do Imperador Sadric e príncipe herdeiro de Melniboné, para tornar-se um sábio imperador.

Existe uma resistência contra Elric por ser fisicamente fraco, algo evidenciado pelo seu albinismo, mas a graphic novel peca um pouco neste quesito. Apesar de tomar porções e reclamar de cansaço físico, Elric é retratado como um jovem impetuoso, e este será o contraponto desejável para a narrativa, ou seja, mostrar como um jovem impetuoso e disposto à ação a todo momento irá conseguir através de imersões nos sonhos aprender o suficiente para gerir o reino. Já no romance Elric de Melniboné (1972) a fraqueza de Elric é pública e notório e mesmo seus amigos questionam se ele seria a escolha ideal para suceder o Imperador Sadric.

Como opção a ele temos Yyrkoon, representando de maneira bem distinta dos clássicos apresentados por P Graig Russell e Michael T Gilbert nos anos 1980, aqui ainda com ódio mortal contra seu primo, mas capaz de agir indiretamente e menos louco. A cada imersão de Elric, Yyrkoon emerge também disposto a tornar-se sábio e matar o avatar do príncipe albino, algo que provocaria a morte de seu corpo físico.

A cada uma das quatro edições, mestre Tanglebones dá a Elric uma porção que o envia ao reino dos sonhos por anos ou décadas, enquanto em Imrryr passam apenas algumas horas. Lá, no reino dos sonhos, Elric obtêm conhecimento da língua dos dragões, de como comandar os demônios, dos pactos com o seu demônio patrono, Arioch, e em diversos momentos mesmo ali está de posse de Stormbringer, a espada diabólica que rouba almas, evidenciando seu destino no mundo real. Seriam sonhos ou visitas a corpos de ancestrais? Seria ele senhor ou escravo de Stormbringer?

Ao final as experiências alteram o jovem aproximando-o do melancólico regente visto em Elric de Melniboné (1972), assim como Yyrkoon do louco descontrolado presente naquela narrativa.

Bem diferente da narrativa fragmentada de Michael Moorcock'sMultiverse (1997), Elric: The making of a sorcerer é capaz de surpreender até aos leitores mais exigentes mostrando um excelente trabalho de Walt Simonson (The Mighty Thor, Orion, Michael Moorcock's Multiverse) e uma narrativa bem estruturada do autor inglês, capaz de agradar a fãs hardcore das novelas de Moorcock, assim como os neófitos advindos dos quadrinhos.

Inédito no Brasil.













Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…