Pular para o conteúdo principal

A saga de Elric: Elric de Melnibone (1972), Livro 3

Na conclusão da trama Elric, obedecendo à determinação de Arioch, atravessa o Portal das Sombras, em busca de Yyrkoon e das espadas místicas gêmeas. Encontra um reino devastado, Ameeron, e alia-se ao arqueiro Rackhir – um ex-sacerdote guerreiro de Phium – que foi exilado naquela dimensão por não servir a contento aos seus deuses.

A descrição de Ameeron é interessante. Seria um reino entre reinos, um limbo interdimensional, sem um astro rei, onde pessoas são exiladas ou abandonadas. Uma terra desértica, sem vida própria onde alguns sofrerão até a morte.

Lá há o caminho para a Caverna dos Lamentos onde Elric de Melnibone irá tomar posse de Stormbringer e Yyrkoon irá possuir a espada-irmã, Mournblade.

Apesar de odiar o primo, Elric não deseja ser escravo dos desejos da espada negra que se alimenta das almas das pessoas que caíram ante sua lâmina. Faz um pacto com a espada – que irá fornecer energias para ele em troca das “vidas e almas de homens, demônios e até deuses”.

Yyrkoon é derrotado – e sua espada desaparece – e com o auxílio de Arioch, os primos e o arqueiro retornam para sua própria dimensão, onde após um período de festejos e reflexão, Elric decide viajar pelo mundo durante um ano. Diante da negativa dos amigos em assumir o trono, entrona Yyrkoon e inicia uma viagem pelos Novos Reinos a contragosto de Cymoril (que teve o feitiço de sono quebrado) e de Dyvin Tvar. Cimenta assim a desgraça do reino e a sua própria.

Não posso deixar de criticar a ingenuidade com que Michael Moorcock retrata Elric neste momento, pois faz o personagem crê na possibilidade de que seu primo vá governar com justiça seu reino. Certamente é a influência de Arioch ou da espada vampira, Stormbringer, assim como uma necessidade cronológica, afinal seu retorno à sua cidade natal é narrado em The dreaming city, primeiro conto do príncipe albino, publicado em 1.961, onde Elric vê-se diante da loucura do primo no trono e tem que romper com os desmandos. Em última análise a desgraça da cidade dos reinos talvez tenha sido arquitetada por Arioch, que se divertia com o fato de que o príncipe não conseguia romper a sequência de eventos que provocaria a queda.

Um livro muito interessante e ainda inédito no Brasil.

Nota: As imagens deste post foram retiradas da série Elric of Melbinone edições #5-6 e de Heavy Metal #65.

A série Elric of Melbibone teve seis números, tendo sido publicada entre 1.982-84, e foi uma produção da Star*Reach Production para a Pacific Comics. Os créditos da adaptação são Roy Thomas (script), P. Craig Russell (lay-out e finais) e Michael T. Gilbert (lápis).

A história de Heavy Metal #65 (1979) tem adaptação e arte de Frank Brunner.














Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…