Pular para o conteúdo principal

A saga de Elric: Elric de Melnibone (1972), Livro 2

Conforme disse no post anterior sobre este livro (aqui) estou resenhando o livro Elric de Melniboné de 1973, dividido em três partes e em cada post irei abordar com um pouco mais de detalhes de cada parte, sem, no entanto, me aprofundar muito.

Na primeira parte somos apresentado aos personagens e suas motivações. Ao final Elric é atirado ao mar pelo primo, o príncipe Yyrkoon, mas sobrevive graças à intervenção do rei dos elementais do mar. De volta à Imrryr, o príncipe albino surpreende seu primo que já está distribuindo mandos e desmandos como novo Imperador de Melniboné, após comunicar oficialmente a morte de Elric.

Porém Elric subestima Yyrkoon, que foge para um reino distante, sequestrando Cymoril, pretendendo reunir forças para em breve atacar a cidade dos sonhos. Yyrkoon toma posse de um espelho místico que o auxiliar a apagar as memórias das pessoas que encontra em sua jornada, sendo assim, capaz de se esconder por um grande período.

A contragosto Elric decide ingressar nas artes arcanas e submeter-se ao demônio Arioch, seu patriarca, que narra as razões do imperador não encontrar o paradeiro do fugitivo. Elric ainda vê-se obrigado a pedir favores aos elementais do mar e da terra para tomar posse de um barco que navega mar e terra, algo que toma uma parte considerável da narrativa, apesar de seu objetivo ser apenas reforçar que o último imperador de Melniboné tem que construir pactos e alianças contra sua vontade para alcançar seus objetivos, e que, talvez estes pactos conspurquem tais objetivos.

Com o barco místico e um esquadrão de guerreiros cegos capazes de resistir ao espelho o bastante para que o restante do exército ataque, Elric derrota o exército do primo, que põe Cymoril sob um encantamento de sono, destrói o espelho das memórias – espalhando as memórias ancestrais ali aprisionados – e foge novamente para tomar posse das espadas místicas Mournblade e Stormbringer.

Apesar de desejoso de voltar para Imrryr, Arioch surge à Elric e o avisa que deverá perseguir seu primo, sob pena de não quebrar o encanto de sono da amada e ter que enfrentá-lo em um futuro próximo de posse de tais armas poderosas e ancestrais.

Nota: As imagens deste post foram retiradas da série Elric of Melbinone edições #3-4. A série teve seis números, tendo sido publicada entre 1.982-84, e foi uma produção da Star*Reach Production para a Pacific Comics. Os créditos da adaptação são Roy Thomas (script), P. Craig Russell (lay-out e finais) e Michael T. Gilbert (lápis).









Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…