Pular para o conteúdo principal

Elric: The Dreaming City (1961)

Primeiríssimo conto de Michael Moorcock com o príncipe albino Elric de Melniboné, aqui já considerado um renegado pelo usurpador do Trono de Rubi, seu primo, o príncipe Yyrkoon. A noveleta “The Dreaming City” foi publicada pela primeira vez em Sciense Fantasy #47, junho de 1961 e mais recentemente na coletânea de romances, novelas e noveletas The Stealer of Souls (Del Rey, Chronicles of the Last Emperor of Melniboné, 2008-2010, vol 1 Elric: The Stealer of Souls, ISBN 0-345-49862-3).

Na trama Elric se alia a seis lordes para invadir e derrubar sua cidade, então sob o domínio de seu primo. Antes, porém, faz uma última visita tencionando resgatar sua amada, Cymoril, irmã de Yyrkoon e sob um encanto de sono.

Ao longo da trama nota-se um tom premonitório de que em função de suas alianças demoníacas, seja com demônios do ar, seja com seu lorde-demônio patriarca, seja com sua espada Stormbringer, uma espécie de vampira que se alimenta das almas dos derrotadas pelo príncipe e através deste alimento fornece energia ao próprio Elric, algo irá dar errado em algum momento.

Há o tom do saudosismo, da perda da cidade perfeita Imrryr e de como isto deixa o príncipe triste, em muito semelhante à sincera dor de pesar do príncipe de Bagdá no conto Ramadã de Neil Gaiman (Sandman #50). Há também o tom do fatalismo, onde fica claro que as escolhas do príncipe o levarão a enfrentar antigos amigos, ainda fieis ao Trono de Rubi independentes de quem se senta nele, ou mesmo a trair seus atuais aliados se a situação assim exigir.

Evidentemente Moorcock, autor inglês de fantasia e ficção científica, famoso por Elric, pelo conceito do Campeão Eterno, pela criação do termo e do conceito de multiverso e pela controversa novela BEHOLD THE MAN, fez várias retcons com o personagem, sendo que especialmente o conjunto de novelas Elric de Melniboné (que resenhei o primeiro livro aqui) se passa quando ainda no trono, apesar de publicado posteriormente. Na introdução da coletânea do selo Del Rey, Moorcock deixa claro que conhece as diversas inconsistências do personagem, mas resolveu mantê-las e não alterá-las ao sabor de novas publicações que levam o personagem para outros caminhos e atitudes ou estende períodos pouco narrados no romance, como a graphic novel Elric: Making of a Sorcerer (2007) feita em parceria com Walt Simonson que narra o aprendizado de Elric através do uso do sonho (dream-learning, no original), um conceito presente desde o primeiro conto, mas nem sempre explicado em profundidade.
O Elric mostrado nesta série em quadrinhos é muito mais decidido e menos ambíguo que o personagem presente em Elric of Melniboné, mas em vez destas nuances chocarem (como fariam com os chatíssimos advogados de regras das hq's, que fariam infinitos comentários sobre o fato) acabam por divertir e mostrar que não é somente o personagem que está em mutação, mas também o autor.

Bem construído, Elric é em última instância um personagem por demais semelhante à Conan de Robert E. Howard, que também utilizou-se das ideias de narrativas em períodos bem distintos de sua carreira, nem sempre em uma cronologia palpável. Lembre-se que o primeiro conto de Conan apresenta-o como rei destronado da Aquilônia e posteriormente narra suas origens e os períodos como pirata, ladrão ou mercenários.

O conto, inédito no Brasil, já teve publicado por aqui a sua versão em graphic novel pela Editora Globo na saudosa série Graphic Globo.


Chronicles of the Last Emperor of Melniboné (2008-2012), Del Rey
Vol
Título
1
Elric: The Stealer of Souls
2
Elric: To Rescue Tanelom
3
Elric: The Sleeping Sorceress
4
Duke Elric
5
Elric in the Dream Realms
6
Elric: Swords and Roses




















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…