Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça em All-Star Comics, Fase “Super-Squad” – Parte 1

Quando Gerry Conway com um rápido auxílio de Paul Levitz decidiu trazer de volta a Sociedade da Justiça da América em All-Star Comics #58 (jan-fev de 1.976, data de capa) ele preferiu utilizar uma fórmula que a Marvel Comics havia utilizado em Giant Size X-Men #01, onde trouxe de volta os X-Men, mas inseriu uma quantidade de personagens novos.

Assim atrairia os leitores antigos, os leitores que estavam acompanhando os encontros anuais com a Liga da Justiça, e leitores novos, atraídos pela existência de algo diferente.

Verdade seja dita, novo mesmo, só a Poderosa (Powergirl, em inglês, a Kara Zor-L da Terra-2, ou seja, uma versão da Supergirl); mas havia um bom índice de ação em tramas bem básicas.

Na trama de inauguração (edições #58 e 59), Brainwave se une a Degaton (sem o “PER”, notou? Mas é o mesmíssimo personagem com roupas diferentes) para subjugar a equipe e dominar o mundo, mas suas ilusões e desastres naturais atraem além de grande parte da Sociedade da Justiça clássica também Robin (agora embaixador na África do Sul que nesta dimensão já não tinha o apartheid em 1976), Sideral (o Star-Splashed Kid original, recém resgatado de uma viagem no tempo, veja aqui) e a novíssima Poderosa.

Com texto de Gerry Conway e arte de Ric Estrada e Wally Wood a história funciona dentro de sua simplicidade e diverte dando espaço para o Pantera que é apresentado com alguém disposto a lembrar aos jovens que eles estão sendo treinados para conseguir seu espaço. Seria o tio rabugento sempre disposto a “dar em cima” da Poderosa – que já era mulher feita quando surgiu.

A trama seguinte (edições #60 e 61), mostra Vulcan – Son of Fire, um astronauta chamado Christopher Pike que sobreviveu à exposição solar graças ao auxílio de tecnologia alienígena. Culpando seus heróis de infância, decide matá-los!

O início da história de Conway e com arte de Keith Giffen & W. Wood mostra a equipe entendiada e o início de algumas tramas paralelas como Allan Scott, presidente da Gotham Broadcasting Company preocupado com a recessão e Carter Hall encontra um sobrevivente da Lemúria congelado. Certamente pontos que seriam retomados em aventuras futuras, mas chamo atenção por ser a mesmíssima cartilha de Chris Claremont (autor iniciante que se consagrou escrevendo Uncanny X-Men entre 1.975-1.991): sempre existiam dois ou três sub-plots na série e sempre havia espaço para o desenvolvimento da personalidade dos heróis.

Ao final do arco, Dr. Meia-Noite explica que Sr. Destino, ferido na batalha contra Vulcan está prestes à morrer, criando a tensão para o número seguinte!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…