Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça em All-Star Comics, Fase “Super-Squad” – Parte 1

Quando Gerry Conway com um rápido auxílio de Paul Levitz decidiu trazer de volta a Sociedade da Justiça da América em All-Star Comics #58 (jan-fev de 1.976, data de capa) ele preferiu utilizar uma fórmula que a Marvel Comics havia utilizado em Giant Size X-Men #01, onde trouxe de volta os X-Men, mas inseriu uma quantidade de personagens novos.

Assim atrairia os leitores antigos, os leitores que estavam acompanhando os encontros anuais com a Liga da Justiça, e leitores novos, atraídos pela existência de algo diferente.

Verdade seja dita, novo mesmo, só a Poderosa (Powergirl, em inglês, a Kara Zor-L da Terra-2, ou seja, uma versão da Supergirl); mas havia um bom índice de ação em tramas bem básicas.

Na trama de inauguração (edições #58 e 59), Brainwave se une a Degaton (sem o “PER”, notou? Mas é o mesmíssimo personagem com roupas diferentes) para subjugar a equipe e dominar o mundo, mas suas ilusões e desastres naturais atraem além de grande parte da Sociedade da Justiça clássica também Robin (agora embaixador na África do Sul que nesta dimensão já não tinha o apartheid em 1976), Sideral (o Star-Splashed Kid original, recém resgatado de uma viagem no tempo, veja aqui) e a novíssima Poderosa.

Com texto de Gerry Conway e arte de Ric Estrada e Wally Wood a história funciona dentro de sua simplicidade e diverte dando espaço para o Pantera que é apresentado com alguém disposto a lembrar aos jovens que eles estão sendo treinados para conseguir seu espaço. Seria o tio rabugento sempre disposto a “dar em cima” da Poderosa – que já era mulher feita quando surgiu.

A trama seguinte (edições #60 e 61), mostra Vulcan – Son of Fire, um astronauta chamado Christopher Pike que sobreviveu à exposição solar graças ao auxílio de tecnologia alienígena. Culpando seus heróis de infância, decide matá-los!

O início da história de Conway e com arte de Keith Giffen & W. Wood mostra a equipe entendiada e o início de algumas tramas paralelas como Allan Scott, presidente da Gotham Broadcasting Company preocupado com a recessão e Carter Hall encontra um sobrevivente da Lemúria congelado. Certamente pontos que seriam retomados em aventuras futuras, mas chamo atenção por ser a mesmíssima cartilha de Chris Claremont (autor iniciante que se consagrou escrevendo Uncanny X-Men entre 1.975-1.991): sempre existiam dois ou três sub-plots na série e sempre havia espaço para o desenvolvimento da personalidade dos heróis.

Ao final do arco, Dr. Meia-Noite explica que Sr. Destino, ferido na batalha contra Vulcan está prestes à morrer, criando a tensão para o número seguinte!

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!