Pular para o conteúdo principal

The New Titans: O ardil de Jericó

Então finalmente nas edições The New Titans v1 #82-84 a trama é concluída!

Os Titãs descobrem a localização da base dos Gnus, em Azarath, acessível através de um portal em um prédio – não sei por que, me lembrei de Caça Fantasmas – cuja localização Jericó conseguiu romper o controle mental e deixar pistas em telas que estava pintando ao longo da trama.

A explicação para tudo é a seguinte: a energia dos cidadãos de Azarath que ajudou a derrotar Trigon se corrompeu e se escondeu no corpo de Joseph Wilson. Meses depois em viu na sociedade Gnu, uma espécie de organização criminosa de alta tecnologia com ladrões que se utilizam de máscaras, uma oportunidade para construir um corpo geneticamente engendrado que pudesse conter a energia sem se decompor. Enquanto não conseguia este sucesso ele utilizaria o corpo dos Titãs aprisionado, ao mesmo tempo em que faria experiências com eles.

É bom lembrar que este corpo sobrevive à história. Para não diluir o impacto da história, que será em muito diluído, acredite, irei criar o post, O ardil de Jericó – Aftermath, que irá tratar das consequências diretas, aguarde.

Para não dizer que a história do assassinato dos Titãs não terminou sem baixas, na contabilidade geral tivemos a morte de... Águia Dourada e Danny Chase. Mas espera aí, na verdade Chase, não tinha morrido... ainda. Depois tivemos a morte de Arella, que não era titã, e sua filha, Ravena, que morreu mas voltou... de novo.

Além destas baixas, Aqualad, envenenado na história em que Águia Dourada morreu ficou profundamente ferido.

Acredito que a trama foi concluída a contento e com um momento especialmente eletrizante, quando o Exterminador decide sacrificar seu filho para salvar a equipe e por extensão o planeta. Durante este arco final as tramas secundárias são abandonadas e põem-se um ponto quase que final na Busca pelos Titãs.

Uma análise mais madura da história questionaria por quê o Gnu/Jericó decidiu atacar os Titãs naquele momento. Se fosse apenas uma questão de as energias estarem corrompendo o personagem, ele poderia ter silenciosamente atacado Estelar e/ou Donna Troy. Com isso poderia ter tido tempo para construir seu corpo biologicamente engendrado para conter aquelas energias.

Mesmo com estas críticas acho a história agradável, interessante... já as consequências... hum aí a porca torce o rabo.

 











Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…