Pular para o conteúdo principal

No iPad: Ideias sob vigilância

A VEJA de 19/12/2012 trouxe um extenso artigo de capa sobre o livro nas mídias eletrônicas, em especial devido à chegada recente da Amazon no Brasil. Eu li a edição em 15/12/2012 no meu iPad o tablet da Apple. A VEJA é disponibilizada por volta das oito da manhã do sábado pela os tablets.

O tablet conjuga as funções de computador e e-reader (leitor eletrônico). É um trambolho leve e inútil se não tiver sinal de celular de qualidade, preferencialmente tecnologia 3G, ou sinal de rede wireless de dados. Preferencialmente ambas.

O iPad, o tablet da Apple, é uma armadilha ao consumo em contraponto aos tablets com o sistema operacional Android feito pelo Google com tecnologia LINUX. Tudo que importa no iPad é pago. Já no Android há uma porção bem maior de ofertas sem custo.

Evidentemente isso apenas evidencia o posicionamento de produtos da Apple com seus computadores e programas de ponta em tecnologia e preço e as tecnologias derivadas do software livre/código aberto (SL/CA) que tencionam deixar programas acessíveis a quem tem pouco recurso.

Seguindo este raciocínio – do acessível a quem tem pouco recurso – noto infelizmente que as editoras cobram preços de seus livros e revistas em formatos Apple ou Android valores semelhantes às cópias impressas. Desta maneira a tecnologia não serve para difundir o pensamento. Ninguém está ofertando um dos 10+ vendidos por R$ 2,00 ou R$ 5,00 graças ao fato de não haver custos de impressão e distribuição física (o transporte).

Diante da nova tecnologia as editoras apenas irão lucrar mais.

E já começam a pipocar erroneamente em diversos lugares as pesquisas que apontam que as pessoas não se envolvem quando leem no formato digital. Concordo, porém creio que é um problema dos nascidos na Era do Papel.

Sou preconceituoso. Admito.

Penso nos tablets e nos e-readers como mecanismos para ler jornais, revistas noticiosas e pequenos artigos, trabalhos transportáveis, etecetera. Mas a verdadeira leitura, aquela que merece análise, reflexão, introspecção somente em papel, que grifo, que escrevo à borda.

Os escritos refletem como as ideias que leio me atingiram.

É verdade que posso fazer isso no e-reader, mas diante de saber que a editora ou a distribuidora eletrônica tem acesso à afirmação que anotei em meu reader, volto à 1984 de George Orwell e me vejo diante do pensamento vigiado. Agrupamentos de leitores que pensam semelhantes, reunidos em funções de grifos virtuais em livros virtuais, só me fazem pensar que é preferível ter os responsáveis pelo pensamento-crime juntos em comunidades virtuais onde seriam ainda mais fáceis de serem localizados.

Completando: o próprio 1984 foi erroneamente apagado dos readers dos clientes da Amazon há algum tempo.

Houve um pedido público de desculpas e o retorno da obra aos leitores. Mas é bom advertir que a obra não é sua, como supostamente o é o livro que está em sua estante. A obra está apenas alugada e eventualmente a empresa pode rever o contrato contigo em um comunicado unilateral que visa apenas resguardar os direitos dela.

Imagine que a versão cheia de anotações do Código do Direito Tributário fosse apagada e ao ser restaurada não tivesse mais as anotações.

Será que a leitura nos readers deve ser indicada apenas para o fútil?

---
post scriptum: Gostaria de lembrar apenas que quem define o quê é fútil para mim sou eu. Por mais holística e cosmopolita que seja a sociedade sou eu quem define isto.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…