Pular para o conteúdo principal

Review: O que o Brasil quer ser quando crescer?

Gustavo Ioschpe é uma grata surpresa em VEJA, onde escrever artigos mensais, geralmente na terceira semana do mês, sobre educação, pois faz uma análise não só algo corajosa e evidente, como põe o dedo na ferida e demonstra as soluções, tornando-se certamente persona non grata a dirigentes sindicais, diretores incapazes, professores omissos à sua verdadeira função e políticos mensaleiros.

Graduado em ciência política e administração estratégica pela Universidade da Pensilvânia (EUA) e é mestre em economia internacional e desenvolvimento econômico pela Universidade Yale (EUA), o economista analisa as escolas a partir de índices e demonstra com uma transparência perturbadora por que somos uma massa de semi-letrados (ou semi-analfabetos, se preferir) e que não nos importamos com isso, pelo contrário: estamos mistificados com o discurso dos sindicatos de baixos salários, salas cheias, baixo índice de investimento e falta de tecnologia – os três primeiros são mentiras escabrosas e o último não faz diferença para o aprendizado, como não fez para nós com mais de 30, para nossos pais, nossos avós, etecetera.

Talvez o maior erro de nossa geração seja acreditar que a escola está melhor que antes baseado unicamente em índices de matrícula e aprovação. Quando fiz a 1ª série no ensino público em 1.982 eu terminei o ano sabendo ler e escrever. Em matemática a divisão era simples soma e subtração no primeiro ano, multiplicação e divisão no segundo e problemas a partir do terceiro. Como posso avaliar uma escola que deixa para a sexta série a exigência de saber ler, como melhor que a escola que frequentei?

O livro é uma coletânea de seus artigos na revista, alguns com versão mais extensa, e também uma análise da realidade educacional do Brasil, além de um extenso artigo da realidade em Xangai, China, que enfrentou com sucesso problemas semelhantes ao Brasil. Muitas das soluções para nós estão na China, basta saber olhar.

Faça um favor para o Brasil: dê o livro de presente para seu coordenador, seu professor, o diretor da escola em que seus filhos estudam, sua família. Ajude a mudar a realidade do Brasil.

O que o Brasil quer ser quando crescer?, Gustavo Ioschpe, ISBN 978-85-65530-18-7, São Paulo: Paralela, 2012.

Termino com uma citação: “Não se produz um vale do sicílio [em um país] com [72% de] analfabetos funcionais”, Gustavo Ioschpe.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…