Pular para o conteúdo principal

Livros: 1822 de Laurentino Gomes

1822 é um livro saboroso, escrito com eficiência e energia própria dos órgãos de imprensa modernos, especialmente se lembrarmos que Laurentino Gomes (autor também de 1808) é jornalista de formação e trabalhou em várias empresas conhecidas do ramo, em especial VEJA.

Isso não impede que o livro tenha um defeito grave: é feito para o entretenimento de massas e busca facilitar os tópicos para ser referência em escolas, por isso, à vezes torna-se uma obra que retrata o fuxico da Corte, como homossexualidades, romances e temperamentos destemperados. Tudo provado, dando um verniz histórico e documental a algo que não passa de fuxico. Os capítulos são cuidadosamente construídos de forma que nunca haja uma discussão por demais teórica e que sejam acessíveis a todas as classes da atual sociedade brasileira.

Isso não diminui a obra, que assim como seu antecessor é feita para ser lida de um fôlego só. A obra anterior já possuía esta característica narrativa para atrair aos jovens. Outra característica profundamente jornalística é que os capítulos são extensos perfis dos atores do rompimento do Brasil com Portugal, como Dom Pedro I, José Bonifácio e outros. O autor evita a todo custo romancear as passagens e quando se faz necessário diálogos, utiliza o depoimento de narradores que estiveram presentes.

Laurentino Gomes ainda analisa bem a herança deixada por Dom João VI, a escravidão, a economia, a maçonaria, a Constituição de 1.824 e especialmente a Guerra da Independência, pouco referida como tal na literatura brasileira.

O livro, que se aproxima de 1 milhão de cópias vendidas, narra como e os motivos para que o príncipe regente do Brasil, Dom Pedro I, deixado por aqui por seu pai Dom João VI, quando retornou a Portugal, rompeu com a Coroa Portuguesa e decretou a Independência do Brasil e o faz com excelência, tornando a história acessível a todos.

É uma leitura deliciosa, repito, e pelo formato de folhetim não cansa. Merece ser lido como seu antecessor (1808) e seu ainda inédito sucessor (1889), que irá completar uma trilogia do autor sobre este período da História do Brasil.

1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado, ISBN 978-85-20-2409-9, Laurentino Gomes, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2010.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!