Pular para o conteúdo principal

Livros: 1822 de Laurentino Gomes

1822 é um livro saboroso, escrito com eficiência e energia própria dos órgãos de imprensa modernos, especialmente se lembrarmos que Laurentino Gomes (autor também de 1808) é jornalista de formação e trabalhou em várias empresas conhecidas do ramo, em especial VEJA.

Isso não impede que o livro tenha um defeito grave: é feito para o entretenimento de massas e busca facilitar os tópicos para ser referência em escolas, por isso, à vezes torna-se uma obra que retrata o fuxico da Corte, como homossexualidades, romances e temperamentos destemperados. Tudo provado, dando um verniz histórico e documental a algo que não passa de fuxico. Os capítulos são cuidadosamente construídos de forma que nunca haja uma discussão por demais teórica e que sejam acessíveis a todas as classes da atual sociedade brasileira.

Isso não diminui a obra, que assim como seu antecessor é feita para ser lida de um fôlego só. A obra anterior já possuía esta característica narrativa para atrair aos jovens. Outra característica profundamente jornalística é que os capítulos são extensos perfis dos atores do rompimento do Brasil com Portugal, como Dom Pedro I, José Bonifácio e outros. O autor evita a todo custo romancear as passagens e quando se faz necessário diálogos, utiliza o depoimento de narradores que estiveram presentes.

Laurentino Gomes ainda analisa bem a herança deixada por Dom João VI, a escravidão, a economia, a maçonaria, a Constituição de 1.824 e especialmente a Guerra da Independência, pouco referida como tal na literatura brasileira.

O livro, que se aproxima de 1 milhão de cópias vendidas, narra como e os motivos para que o príncipe regente do Brasil, Dom Pedro I, deixado por aqui por seu pai Dom João VI, quando retornou a Portugal, rompeu com a Coroa Portuguesa e decretou a Independência do Brasil e o faz com excelência, tornando a história acessível a todos.

É uma leitura deliciosa, repito, e pelo formato de folhetim não cansa. Merece ser lido como seu antecessor (1808) e seu ainda inédito sucessor (1889), que irá completar uma trilogia do autor sobre este período da História do Brasil.

1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado, ISBN 978-85-20-2409-9, Laurentino Gomes, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2010.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…