Pular para o conteúdo principal

E a DC fica menor

Karen Berger só pode ser comparada à Janette Khan. Certamente Khan foi mais importante para a DC e para os leitores que consumiram os produtos da editora, especialmente pela corajosa maneira de reiniciar a cronologia em 1.986/87 logo após Crise nas Infinitas Terras.

Mas Karen Berger é minha editora preferida de todos os tempos, afinal editou Legião dos Super-Heroes e Sandman, além de propiciar o ambiente necessário para a “Invasão Britânica” e dar sangue novo para os quadrinhos de terror, agora como “suspense sofisticado”.

Berger além de responsável pelos primeiros trabalhos de Alan Moore, Neil Gaiman e Grant Morrison para a DC Comics conseguiu, no início dos anos 1.990, reunir as séries que se passavam à margem do universo DC e criar o selo Vertigo.

Diferente de outros editores, Berger nunca explorou suas opiniões na mídia. Acompanhando diariamente a internet e os meios de comunicação e divulgação da indústria de quadrinhos, não me recordo de uma nota ou opinião sua publicada com foco sensacionalista, algo tão comum para garantir vendas neste ramo. Reservada, conseguiu não ser um lugar comum nas hq's e concentrar-se na produção.

Recentemente foi anunciado que Hellblazer, a série de John Constantine, será cancelada após 300 números e substituída por Constantine uma série para Os Novos 52, um novo reboot que a editora implementou em 2.011. Certamente a série já havia dado seu melhor há muito tempo e realmente deveria ter sido interrompida há anos. Mas junto a isto somou-se a percepção de que alguns contratos de personagens publicados no selo – vários sob a opção de propriedade do autor – não davam a opção da Warner ser o primeiro estúdio a ser consultado em eventuais adaptações cinematográficas.

Houve uma revisão de quadros e contratos e Berger ficou insatisfeita, anunciando sua saída em 2.013 assim que terminar de preparar seu substituto.

É assim que todos entendem a indústria de quadrinhos agora. Apenas um lugar para sugar inspirações para o lugar onde realmente está o dinheiro: a indústria de licenciamento e por extensão a indústria de cinema.

Filmes são (muito) legais, mas não passam de adaptações.

E a DC fica menor por perder uma editora capacitada e ainda menor por rever contratos de direitos autorais.

Uma pena.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…