Pular para o conteúdo principal

Bugigangas das hq’s: A Lança do Destino

A primeira aparição da Lança do Destino é em Weird War Tales #50 por Steve Englehart, Dick Ayers & Alfredo Alcala. Na capa a lança recebe o nome de Lança da Morte, mas no interior o texto se refere ao objeto como Lança do Destino.

Weird War Tales foi uma série da DC Comics sobre contos de guerras com fundo de magia, bruxaria, ocultismo ou simplesmente místicos. Se eu fosse tradutor, verteria o título da série para “Sinistros Contos de Guerra”, mas creio que a idéia já pegou certo?

Nesta história com data de capa de janeiro/fevereiro de 1.977 o Sargento Baxter e seu colega chegam no bunker onde se encontra Hitler e alguns aliados pouco após a morte do fuhrer. Alguém foge e um colega de Baxter, Walker, ouve pouco antes de morrer que há uma arma mística que traz poder e morte aos seus possuidores.

Esta arma é a Lança do Destino, a lança que foi utilizada para perfurar Jesus Cristo durante a crucificação. Por sinal uma das possíveis origens do Vingador Fantasma é ser o soldado que perfurou Cristo.

A narrativa geral é que a arma permite ao seu possuidor influenciar as massas. Na série italiana “Martin Mystere”, há uma versão da história da influência de Hitler sobre as massas, porém com o uso de Excalibur, a espada de Arthur. No universo ficcional de Mystere ela é uma ferramenta que gera ondas de energia que permitem as pessoas exercerem sua influência sobre as outras.

Mas aqui em Weird War Tales a história segue outros rumos. Hitler cedeu a arma para uma nova pessoa – este novo possuidor é nominado na narrativa como The Coming Man – e a função de Baxter na trama é resgatar a peça.

A Lança foi criada nesta série editada por Joe Orlando, que fazia parte do embrião dos anos 1.970 do que seria a Vertigo década e meia depois, a arma mística foi transferida para o universo dos heróis da editora por Paul Levitz na origem da Sociedade da Justiça (veja aqui) e por Roy Thomas em All-Star Squadron (aqui) e America vs Sociedade da Justiça.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…