Pular para o conteúdo principal

América vs Sociedade da Justiça (1984)

Clark Kent, editor do jornal Estrela Diária, recebe um diário supostamente escrito por Batman que informa que o homem morcego e a equipe de heróis serviam secretamente ao Fuhrer nazista desde a origem da SJA!

O diário vaza para a imprensa e a equipe vai ao Congresso Nacional dar explicações sobre seus atos e por supostamente ter colaborado com a Alemanha nazista.

Minissérie em quatro partes (a primeira é dupla) escrita por Roy Thomas, com desenhos de Rafael Kayanan, Mike Hernandez e Howard Bender, finais de Alfredo Alcala e capas de Jerry Ordway.

Publicada em 1.984 é a penúltima história da equipe no formato padrão. A última seria The Last Days of Justice Society.

Apesar da qualidade, Thomas erra um pouco a mão fazendo uma história verborrágica, na verdade, uma história de tribunal. Na primeira parte com a leitura do diário de Batman temos a origem da equipe, porém controlada ideologicamente por Adolf Hitler. Depois a equipe tenta limpar seu nome e mais narrativas de histórias antigas.

Desde o primeiro momento sabemos que é parte de um plano do filho e herdeiro político do Senador O’Fallon – ridicularizado quando a equipe se recusou a revelar as suas identidades e desapareceu nos anos 1950 – e do vilão Mago (Wizard) para sujar o bom nome da equipe. Além destes, exposto desde o início, havia ainda o vilão viajante do tempo Per Degaton.

A arte final de Alcala é pesada como sempre e contrasta com o tom da história. Lembra, como sempre, algo sujo, escuro. Talvez um Dick Giordano tivesse sido mais adequado. Dos artistas, só Kayanan teve algum renome a posterior trabalhando com o mesmo Roy Thomas em The Savage Sword of Conan já no meio da década de 90. Também seria o artista da série Conan, o aventureiro, com o mesmo autor.

Com a aproximação de Crise nas Infinitas Terras a trama lembra mais uma oportunidade de apresentar aos leitores da década de 1.980 um checklist da equipe incluindo os eventos de All-Star Comics e All-Star Squadron. Lembre-se que a DC fez um extenso Who’s Who em cinco partes com a Legião dos Super-Heróis de modo a narrar toda a cronologia da equipe.

Certamente seria esta a mesma função desta série com a SJA como aponta em parte Thomas no editorial da edição #01.

Com esta visão a série funciona perfeitamente, já que além de narrar novamente quase todas as histórias e principais eventos da equipe, ainda tem uma trama e vilões próprios.

Boa oportunidade para quem, como eu, gosta do conceito da Sociedade da Justiça da América.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…