Pular para o conteúdo principal

Wild Cards Livro 3: Apostas Mortais (Jokers Wild)


E o mais engraçado é que até o início de 2.011 eu não conhecia o trabalho de George R R Martin. Exceto… uma memória longínqua de… Wild Cards.

Sim, é verdade que o Brasil não tem uma longa tradição de publicações de ficção científica. Ícones foram e são publicados e republicados há décadas, mas há pouco dos autores novos. China Melville é um destes casos: conhecido lá fora, aqui é um simpático anônimo.

Mas voltando à Martin, eu me lembro com intensidade quando a DEVIR lançou GURPS, o RPG genérico de Steve Jackson e um de seus suplementos era o WILD CARDS. A editora Globo logo lançou uma minissérie do selo EPIC/Marvel que tinha um formato estranho: vários personagens, cada um com um artista/desenhista distinto, semelhante a uma série do Badger – que era louco, tinha múltiplas personalidades e cada uma delas um desenhista.

Tristemente, junto com dezenas de outros bons conceitos a série em quadrinhos foi para o fundo de meus armários e raramente saiu de lá. Confesso que nunca a li até mais de vinte anos depois do lançamento.

O tempo passou. A HBO fez um contrato para adaptar uma série de fantasia do autor de sci-fi George R R Martin e o editor Raphael Dracon convenceu a Leya a comprar a série de livros As crônicas de gelo e fogo que se tornou um sucesso no mercado editorial brasileiro, com mais de 150 mil cópias vendidas de cada um dos cinco livros.


Logo vieram A morte da luz, a promessa de Fever Dream (uma série de vampiros), coletâneas de sci-fi e fantasia, Ocavaleiro dos sete reinos e finalmente a série Wild Cards, no momento em que a série já possui 22 volumes!

* * *

O primeiro verdadeiro romance mosaico da série, Apostas Mortais (Jokers Wild) o terceiro volume de Wild Cards, ocorre no espaço de 24 horas no dia 15 de setembro de 1.986, quarenta anos após a infecção do vírus alienígena.

Há no romance seis histórias principais: Jack e Nômada à procura de uma sobrinha que veio do interior e está perdida em Manhattan; a história de uma promotora de justiça, amiga de Nômada que crê que poderá controlar a Máfia e sua herança, que renegou durante anos; Ira a ladra intangível que roubou o diário de um criminoso importante, e por isso será perseguida e cruzará o caminho com o Yeoman; Hiram Worchester e Jay Ackroyd, o primeiro organizando a festa dos quarenta anos em seu restaurante e percebendo o poder criminoso agir em seus fornecedores e o segundo, contratado por Hiram para descobrir quem realmente é o responsável por aqueles ataques. Estas tramas, todas muito “pé no chão” tem pouca relação com o grande vilão do trio de livros, exceto o cenário.

Evidentemente as histórias principais ficam por último. Dr Tachyon é seduzido por Roleta durante todo o dia, agindo como mero coadjuvante, enquanto ela tem a missão de matá-lo, usando um veneno expelido no ato sexual. James Spector, assassino contratado pelo grande vilão, assim como Roleta, tem várias missões e praticamente se encontra com todas as tramas, enquanto constrói a sua própria. Como Roleta, ele teme o Astrônomo e por isso aceita suas imposições. Sua trama é uma longa comédia de erros e ainda que eu o visualize como o Lápide (vilão do Homem-Aranha, um negro albino, extremamente resistente, quase invulnerável e com cara de poucos amigos), em certos momentos seu material é o mais engraçado do volume, pois com ele acontece tudo de ruim, e o leitor sempre quer mais desgraças para ele, ainda que deseje que ele viva.

E, por fim, a história que toma a capa da edição: Fortunato, o cafetão de gueixas, com seus poderes alimentados por sexo (tântrico ou não) tem que encontrar, reunir e proteger os ases que auxiliaram na destruição do mosteiro no volume 2, pois o Astrônomo pretende matar todos os ases e curingas que conseguir e rumar para o espaço na nave de Tachyon. Não aceitando colaborar e trocar informações, Fortunato é “cego” ao seu modo: odeia Tachyon; usa Hiram, mas nega detalhes. Sua miopia, quando descoberta o faz perceber seus erros.

George R R Martin então edita o texto de Melinda M. Snodgrass, Leanne C. Harper, Walton Simons, Lewis Shiner, John J. Miller, Edward Bryant e seu próprio e consegue criar o terceiro e melhor volume até o momento. As histórias contadas como um romance mosaico, ou seja, misturadas, tramas entrecortadas, funcionam melhor do que os contos individuais narrados em um cenário único. Todas as tramas são boas, ainda que pessoalmente tenha minhas preferidas e minhas preteridas – a ideia de um curinga crocodilo que engole um conjunto de livros, volta à forma humana, não os digere e retorna à forma de crocodilo para regurgitá-los me parece forçada, assim como a previsível história da mafiosa que vai para a justiça para renegar a famiglia e depois retorna para ela, acreditando que será possível controlá-la, não me parece nada mais, nada menos do que o óbvio.

De todos os personagens se sobressaem Tachyon, Fortunato e Spector (Ceifador). Tachyon, no entanto, consegue ser mais forte: ele é um coadjuvante de luxo na trama de Roleta, mas é tão fascinante que rouba a cena cada vez que aparece. Ceifador é o criminoso cheio de atos condenáveis, mas que queremos que sobreviva ao fim do mundo prometido pelo seu patrão e Fortunato, bem… Fortunato é “o negão que come todas” e fica mais poderoso a cada relação, se preparando evidentemente para um final apoteótico que o leva a um novo nível de compreensão.

Bem escrito e editado, ao ponto que não ser possível ver a ruptura entre os autores, mesmo sabendo quem escreveu o quê, Apostas Mortais se torna o melhor da primeira tríade de livros e amplia bastante a minha nota geral para a série.

Aconselho imensamente.

Wild Cards Livro 3 Apostas Mortais, Leya, maio de 2014, ISBN 978-85-441-0018-9, editado por George R R Martin e escritor por Melinda M. Snodgrass, Leanne C. Harper, Walton Simons, Lewis Shiner, John J. Miller, Edward Bryant e George R R Martin.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…