Pular para o conteúdo principal

A Saga do Monstro do Pântano no Brasil


Minha infância foi tão normal quanto possível. Mas confesso que minha mãe não tinha realmente cuidado com o quê eu lia – fornecido em geral, pela própria.

Eu conheci MONSTRO DO PÂNTANO em HERÓIS EM AÇÃO (EDITORA ABRIL), uma das três revistas que a Abril lançou em 1.984 em sua tentativa de publicar a DC Comics. Muitos em 84 conheciam o personagem da série e especiais publicados pela EBAL – algumas histórias já publicadas em dois volumes pela Panini.

Monstro do Pântano foi coadjuvante de revistas para adolescentes (minha mãe não tinha tanta culpa assim). A fase de ALAN MOORE estreou em Os Novos Titãs, passou para Superamigos (revistas que substituiu Heróis em Ação) e esteve presente no almanaque trimestral SuperPowers (de onde vem a lenda que Monstro do Pântano vende pouco, pois foi a edição que vendeu menos) e eventualmente apareceu em Batman 2ª série/formatinho da Abril, que ficou famosa por publicar Ano Um, Sombra e Questão.

Um dia o Monstro deixou se ser publicado em Superamigos.

O tempo passou, e passou, e passou.

No início dos anos 1.990, a Editora Abril decidiu retomar de onde parou e lançou uma série mensal, primeiro em formatinho, depois em formato americano. Foi um período dourado onde vimos Gótico Americano, o famoso arco de dezesseis partes que apresenta John Constantine, o ataque à Gotham City e o arco Mistério no Espaço, quando o personagem navegou no espaço sideral.

A Editora Abril reduziu sua linha de quadrinhos e a série, que já constava com a participação da série americana JOHN CONSTANTINE HELLBLAZER foi interrompida.

Anos depois a Metal Pesado republicou o material inicial de Moore em um formato preto & branco e já como Tudo em Quadrinhos, com uma política de publicar títulos do selo VERTIGO publicou O CELESTIAL E O PROFANO, uma série de histórias escritas brilhantemente por RICK VEITCH. Com mais uma ou duas mudanças de nome a editora publicou um especial e uma série mensal com apenas duas edições, hoje razoavelmente difíceis de encontrar.

Nos anos 2.000, primeiro a DEVIR e depois a PIXEL publicaram encadernados. A DEVIR publicou um encadernado da série mais recente naquele momento, ao que a Pixel deu sequência em várias edições da PIXEL MAGAZINE e também publicou um belo encadernado equivalente ao A SAGA DO MONSTRO DO PÂNTANO da PANINI.

Quando a PANINI assumiu a VERTIGO há quase cinco anos iniciou um projeto de republicar muito material antigo, ainda que seu foco fosse séries recentes porcamente publicadas. Desse projeto tivemos os sete encadernados JOHN CONSTANTINE HELLBLAZER: ORIGENS e agora começa a publicação de A SAGA DO MONSTRO DO PÂNTANO.

Nesta série teremos a republicação de material do início da fase de ALAN MOORE, STEPHEN BISSETTE, JOHN TOTLEBEN e DAN DAY aos quais depois se somariam Rick Veitch e ALFREDO ALCALA. Se for apenas o material de Moore, temos material para uns cinco encadernados e nenhuma aventura inédita (ainda que parte delas tenha sido publicada apenas em formatinho). Mas se o projeto vingar tenho esperança de finalmente ver toda a passagem de Veitch no título, algo que, mesmo comparado com o gênio anterior não é um momento menor.

Boa sorte no projeto, Panini!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…