Pular para o conteúdo principal

All-Star Squadron The world on fire!

All-Star Squadron Preview em Justice League of América # 193 (agosto/1981) – Seguindo um padrão no distante ano de 1981 a DC Comics lança uma nova série com preview em uma de suas revistas de linha. O mesmo aconteceu com The New Teen Titans e Ametista, a princesa do mundo de cristal, entre outras.

Aqui nossa trama começa no final de 1941, na Terra 2, onde alguém tenta entrar em contato com a sede da Sociedade da Justiça da América em sucesso. A data é suprimida intencionalmente no início da história.

Enquanto isso, na Califórnia, Mulher-Maravilha, Flash e Lanterna Verde fazem uma exibição pública para arrecadar fundos, que é filmada por Johnny Chambers e seu assistente e amigo.

Momentos depois o trio de heróis descansa em um piquenique, mas é repentinamente atacado por Solomon Grundy, a quem os heróis não conhecem, mas o monstro não só conhece o Lanterna, como também sabe a fraqueza dele: a madeira!

Grundy derrota os três heróis.

Continua a tentativa de entrar em contato com a Sociedade, e diante da dificuldade é sugerido como alternativa os Law’s Legionnaires (também conhecidos como 7 Soldados da Vitória).

Enquanto assistem brevemente a repórter Libby Lawrence, na recém lançada TV, Sandman, Starman e Johnny Thunder vão investigar o aparecimento de um navio acima da cidade e enfrentam o Sky Pirate e seus “robot-men”.

Em Salem, Espectro e Sr. Destino são manipulados por Wotan para se enfrentarem pensando que o outro herói é o vilão.

Danette Reilly uma geóloga, aproxima-se de um vulcão que iniciou um período de atividade para investigá-lo.

Durante uma comemoração em Gotham City, Superman, Batman e Robin são atacados pelo Professor Zodiak, que transforma Batman e Robin em crianças e envenena Superman com kryptonita.
O último ataque acontece em Washington quando Átomo, Dr. Meia-Noite e Gavião Negro¹ são atacados pelo Monstro, com armamento futurista. Derrotado, o Monstro revela que quem está por trás do ataque é “Degaton”.

Enquanto isso na Casa Branca, o presidente Roosevelt conta seus planos para formar um “esquadrão” com todos os heróis para auxiliar na presente emergência que é o possível ataque japonês.

A data desta história?

Domingo, 7 de dezembro de 1941, os primeiros momentos do dia do ataque à Pearl Harbor. A vasta quantidade de ações para as primeiras horas do dia 7 de dezembro deve-se a tramas acontecendo em várias locais ao mesmo tempo, com fusos horários distintos.

All-Star Squadron # 01 (setembro/1981) – Inédito no Brasil – Gavião Negro encontra Homem-Borracha na sala de reuniões da SJA que lhe transmite um recado do presidente dos EUA, que necessita encontrar a SJA. A dupla parte para encontrar o Dr. Meia-Noite e Átomo, mas acaba confrontando vilões com uniforme que lembram insetos nos céus da cidade.

Amanhece o dia de 7 de dezembro de 1941 e no arquipélago do Hawaii, Shinning Knight - que em flashback já faz menção aos Law’s Legionnaires - encontra a jovem geóloga Danette Reilly, em uma ilha com um vulcão em erupção – que a jovem estuda.

Mas o destino tem outros planos quando Shinning descobre uma série de cavernas feitas por homens e se confronta com Solomon Grundy, Professor Zodiak, Sky Pirate, Wotan comandados por Per Degaton – que diz ter vindo do ano de 1947 (Na verdade após All-Star Comics # 35 em junho-julho de 1947 e antes da edição # 37, num “limbo” gerado)!

Começa o bombardeio japonês à Pearl Habor!

Dr. Meia-Noite, Átomo, Robotman, Johnny Quick (Johnny Chambers), Liberty Belle (Lawrence Libby), reunem-se em Washington à Gavião Negro e Homem-Borracha, para a reunião com o presidente Roosevelt, que pede a criação de uma aliança de heróis uniformizados que responda diretamente a ele.

Eles aceitam a missão e partem para defenderam a Costa Oeste dos EUA, enquanto Per Degaton se aproxima de San Francisco via submarino! – o presidente Roosevelt é o primeiro a referir-se a eles como “All-Star Squadron”.

All-Star Squadron # 02 (outubro/1981) – Inédito no Brasil – A edição começa com os heróis enfrentando ladrões de bancos e assim encorajando a população à resistência, mas logo estaremos com eles em um avião para a Costa Oeste e teremos uma pausa para a narrativa das origens de Gavião Negro, Liberty Belle, Homem-Borracha, Robotman, Átomo, Johnny Quick e Dr. Meia-Noite – o único personagem que realmente não poderia estar aí no DCU pós Crise nas Infinitas Terras é Homem-Borracha.

No rádio do avião nossos heróis ouvem sobre os aviões que aproximam-se de São Francisco, enviados, sem que eles saibam, na verdade, por Per Degaton que deseja dividir a atenção dos EUA, fazendo-os concentrarem-se nos japoneses e não nos alemães!

Com este plano e outras informações vindas de 1947, Degaton acredita que poderá dominar o mundo!

Esta é uma verdadeira edição de origens, já que Degaton conta como traiu a confiança do Professor Zee, e utilizou sua máquina do tempo para viajar no tempo e tentar consolidar seu domínio.

Danette Reilly consegue libertar-se quando cai sobre a espada do Shinning Knight e liberta em seguida o herói, para enfrentar os vilões no submarino de Degaton!

Lady Fantasma usa seu raio de luz negra para que a população de São Francisco não veja o ataque nos supostos japoneses, mas o Squadron ataca as naves, e percebe que os japoneses agem como que hipnotizados, enquanto o covarde Sky Pirate some misteriosamente, como o King Bee na edição anterior e o Monstro no Preview – a explicação para isto é que, derrotados os vilões retornam para o ponto no futuro em que vieram quando Per Degaton os convidou.

All-Star Squadron # 03 (novembro/1981) – Inédito no Brasil – Degaton percebe que seus planos estão falhando, e que seu único trunfo é a permanência da Sociedade da Justiça prisioneira de um encantamento de Wotan, na caverna sob o vulcão!

Shinning e Danette conseguem fugir do submarino, e com a ajuda de Vitória Alada, o cavalo encantado do Cavaleiro, retornam à ilha para salvar os heróis, seguidos de perto por Zodiak e Wotan.

Solomon Grundy permanece no submarino acusando Degaton – que faz um flashback dos momentos do futuro em que retirou os vilões.

Mas parte dos All-Stars, seguindo uma dica do Guarda Costeira, invadem o submarino, enquanto Johnny Quick, Robotman e Gavião Negro derrotam os últimos aviões.

Shinning Knight e Danette chegam ao vulcão mas não conseguem libertarem os heróis. Os vilões também chegam e há um novo round, em que Justin é derrotado e Danette presa em um campo de força de Wotan cai na lava incandescente. Neste momento Per Degaton explode as bombas que ele havia instalado.

Porém o solvente universal de Zodiak liberta o Espectro do encanto de Wotan, que por sua vez, liberta todos os heróis.

Com este fim trágico para seus planos de conquista do mundo Per Degaton, derrotado, volta para o futuro (1947). Ele retornará um ano depois numa trama que envolve o All-Star Squadron, a Sociedade da Justiça, a Liga da Justiça e o Sindicato do Crime da América da Terra 3 conhecida por nós como Crise na Terra Primordial.

Os heróis ainda enfrentam Solomon Grundy, que derrotado pelo Robotman é remetido para sua época.
Em seguida é a vez do submarino desaparecer, quando a tripulação é finalmente derrotada, e os heróis do All-Star Squadron encontrarem os resgatados membros da SJA.

Com a notícia do ataque à Pearl Harbor, surge uma vontade patriótica de servir aos interesses do país, formando a unidade da equipe.

A – Roy Thomas D – Rich Buckler F – Jerry Ordway
----
Notas:

¹: Há uma preferência em referir-se a este Hawkman como “Falcão da Noite”, e ao policial thanagariano como “Gavião Negro”. No original ambos tem o mesmo nome.

Até a série Zero Hora eles eram personagens distintos. Durante os eventos da saga todos os “Hawkman” são fundidos e se cria um novo “Hawkman” que por seguir a política da violência de então é lentamente abandonado.

Em 2000, a nova Mulher Gavião em Thanagar consegue trazer o Gavião Negro do limbo.

Vale lembrar que atualmente se aceita que este Hawkman tenha sido o Gavião Negro presente nas aventuras da Liga da Justiça, brevemente substituído por um espião thanagariano que dizia ser filho do Falcão.

Apesar das aventuras que explicam isto não terem sido publicadas no Brasil, este espião teve seu nome traduzido como Falcão da Noite (II) e lentamente está sendo sua presença no DCU anulada e substituída por Carter Hall.

Fica claro na série que Carter Hall, o atual Gavião Negro não é Katar Hol, o Gavião Negro de Hawkworld e da série Hawkman de 1994.

Na página # 03 de JSA # 24 (julho de 2001), publicado em LJA # 06, Panini Comics (maio/2003), há os seguintes diálogos logo após o reaparecimento de Carter:

Adão Negro: – Você se lembra de mim, Príncipe?

Gavião Negro: – Mas é claro... assim como de todas as minhas vidas, Teth-Adam. Por exemplo, eu reconheceria Nuklon em qualquer lugar.

Na página seguinte da mesma edição em resposta a um monge da seita que facilitou seu renascimento, Carter fala: “Eu disse ao Adão Negro que me lembro de todas as minhas vidas, e é verdade. Isso inclui as memórias de Katar Hol. Mas essas histórias podem esperar.”.

Na página # 14 de JSA # 25 (agosto de 2001), publicado em LJA # 07, Panini Comics (junho/2003), há o seguinte diálogo de Carter em resposta à Kendra: “Katar Hol era um policial aqui [Thanagar], pertencia à Elite da cidade, e conhecia as câmaras e passagens secretas que percorrem Thalrassa. Como tenho um pouco de Katar em mim... acabei adquirindo esse conhecimento.”

Kendra: “– Você não disse que Hol morreu?”

Cater: “ – Disse. Ele morreu mesmo. A essência de Katar foi arrancada quando ele entrou na dimensão avatar de onde saí. Nós fomos separados... e eu sobrevivi.”

Na página # 32 do DC Especial # 02 (Panini Comics, junho-2004), equivalente à página # 4 de Hawkman # 02 (junho/2002), temos o seguinte diálogo em resposta à uma pergunta de Kendra sobre o quê seria aquela nave (uma nave thanagariana): “Um brontadon, nave que já foi da força policial de Thanagar e é uma versão moderna da que descobrimos no Egito. Katar Hol, que Deus o tenha, trouxe a nave à Terra.”.

Mais à frente, na página # 66 do DC Especial # 02, equivalente à página # 16 de Hawkman # 03, temos o seguinte diálogo entre o Ladrão das Sombras e Gavião Negro:

Ladrão das Sombras: – Aquele Gavião Negro que eu conhecia também tinha o pavio curto, sabe? Mas é típico de Thanagar. Você é daquele planeta fascista? Eles fazem uma tecnologia bacana, tipo esse traje-sombra, mas...

Gavião Negro: - Eu nasci na Terra... e muitas vezes. O thanagariano era... amigo meu.

Ainda que algumas explicações sejam dadas no futuro, esta questão já está clara

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…