Pular para o conteúdo principal

Sociedade da Justiça em All-Star Comics, Fase “Super-Squad” – Parte 2

A edição #62 de All-Star Comics com texto de Gerry Conway & Paul Levitz (#62) e depois somente Levitz (#63), lápis de Keith Giffen e finais de Wally Wood & vários, encontramos a trama da recuperação do Sr. Destino, onde o Lanterna Verde Allan Scott, presente na batalha sente-se responsável e segue uma pista com o Flash.

No Museu o lemuriano Zanadu descongela-se do âmbar e, após atacar um conhecido do casal Hall, desaparecesse levando Shayera, levando a equipe a seguir estas pistas até Tóquio onde surge o confronto. Falcão da Noite convoca todos os membros da equipe e surge o Superman, que é ilustrado saltando e com diversas diferenças de opinião em relação à Poderosa.

Se as duas tramas ainda não fossem suficientes, na última página da edição #62 Pantera é dominado pelo Violinista da Sociedade da Injustiça, ao lado do Solomon Grundy. Há uma batalha onde os vilões são derrotados, mas tudo é um prenúncio para uma outra trama maior.

Apesar de Lanterna e Flash irem ao Egito o quê ele encontram é um misterioso homem com um cavalo alado, pois o Sr Destino se recupera misticamente e consegue congelar Zanadu no âmbar novamente, recuperando Shayera.

Animado com as ações de Poderosa, Superman decide se afastar da equipe e indica a prima para substituí-lo permanentemente.

O último arco da fase “Super-Squad” transcorre nas edições All-Star Comics #64-65, com texto de Paul Levitz e arte de Wally Wood. O sujeito com o cavalo alado é o Cavaleiro Andante (Sir Justin), também membro dos 7 Soldados da Vitória resgatado pela Liga (veja aqui). Ele avisa à equipe que alguém está alterando o tempo, mudando a história.

Superman não dá crédito, mas forma-se uma pequena equipe que viaja até Camelot onde encontram robôs!

Allan Scott prefere não participar da aventura para dar atenção à sua empresa, mas está com cobradores à porta.

Enquanto a equipe viaja no tempo, Homem-Hora fica operando o maquinário mas é atacado pelo Geada.




No passado tudo vira mais um plano do vilão Vandall Savage, que recentemente teve a imortalidade perdida num encontro entre Flash das Terras 1 e 2. Mesmo não sendo imortal o vilão tem tecnologia para viajar no tempo e produzir robôs, além de maquinário avançado. É um detalhe que enfraquece a trama, mas não atrapalha pois no segundo número a narrativa visual lembra as tiras diárias.

Nesta segundo parte os heróis são aprisionados em uma fortaleza de Savage num planeta com sol duplo que irradia kryptonita. O visual tenta lembrar histórias de Flash Gordon com um ambiente extremamente robótico e tecnológico. Com uma narrativa não linear a história lembra pouco quadrinhos de heróis e mais quadrinhos de ficção.

Como tramas adicionais a invasão da Sociedade da Injustiça continua no presente e a rádio de Allan Scott quebra, mas ele encontra alguém que começa a animá-lo.

A partir da edição #66 o termo “Super-Squad” (Super Esquadrão) desaparece da capa sendo trocado por “All-Star Comics apresentava a lendária Sociedade da Justiça da América”.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…