Pular para o conteúdo principal

The Unknow Soldier of Victory (1.972)

Em Justice League of America v1 # 100-102, com texto de Len Wein, lápis de Dick Dillin e finais de Joe Giella & Dick Giordano, temos a comemoração de cem encontros da Liga da Justiça (ou seja a comemoração dos 100 números da série) mas, é claro, eles descobrem através do Sr Destino que existe uma ameaça às Terras, representada por uma maligna mão.

Uma pista leva-os a crer que o conhecimento da identidade do desconhecido Soldado da Vitória poderia trazer mais informações e eles convocam o Oráculo, um ser místico, que explica sobre a última missão dos Sete Soldados da Vitória (formados por Vigilante, Celestial e Stripesy, Vingador Escarlate, o Cavaleiro Andante, Arqueiro Verde e Ricardito).

 


A equipe está perdida no tempo e cabe à Liga & Sociedade da Justiça encontrá-las.


Sr. Destino, Elektron e Homem-Elástico encontram o Vingador Escarlate como Rei dos Astecas; Superman, Sandman e Metamorfo encontram o Cavaleiro Andante servindo Genghis Khan; Gavião Negro, Mulher Maravilha da Terra 2 e Dr. Meia Noite encontram o Arqueiro Verde da Terra-2 na floresta de Sherwood; Batman, Starman e Homem-Hora resgatam Stripesy no Egito Antigo e finalmente na última parte Arqueiro Verde da Terra-1, Canário Negro e Johnny Thunder & Thunderbolt resgatam Vigilante em uma tribo indígena; Aquaman, Pantera e Lanterna Verde Hal Jordan resgatam Celestial na Pré-História e Flash da Terra-1, Zatanna e Tornado Vermelho resgatam Ricardito das mãos de Circe que o transformou em um centauro.
Retornando ao presente eles decidem descobrir a identidade o Soldado desconhecido, que foi descoberta por Lanterna Verde Allan Scott, Sr. Incrível e Robin da Terra-2, que não viajaram no tempo.

Neste momento de tensão a base é invadida por Iron Hand, velho inimigo dos Sete Soldados, que em tramas paralelas já sabíamos ser o vilão da história e havia ativado uma arma terrível com sua mão mecânico. Ele ameaça Diana Prince, pois na época a Mulher-Maravilha da Terra-1 estava sem poderes.
Preso, o vilão revela que criou um mecanismo de destruição e as equipes constroem um dispositivo que poderá destruir a arma maligna, mas talvez mate o responsável pela ativação que tem que se aproximar fisicamente do local.
Tornado Vermelho decide então sacrificar-se levando a “nebula rod” para destruir a arma e singelamente deixando um bilhete explicando seus motivos. Ninguém, é claro, lembrou que os místicos poderiam transportar a arma com algum feitiço.

Um dos maiores encontros em termos de quantidade de membros presentes, foi aqui que a equipe da Era de Ouro, Law’s Legionnaries: The 7 Soldiers of Victory retornou para a cronologia da DC Comics. Na década seguinte a equipe teria algumas histórias narradas em All-Star Squadron (1981-1987).
Ah... o Soldado desconhecido? Era Wing, o oitavo membro da equipe, parceiro de Vigilante Escarlate que morreu na última missão!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…