Pular para o conteúdo principal

Sandman, a seção de cartas e os detalhes do personagem

Para começar o Sandman era de Michael Fleisher & Jack Kirby, o quê faz certa diferença, mas acredito que a importância de Kirby diminuísse a função do autor, que na verdade deveria é preencher balões de texto para o artista (isto, é claro, são suposições minhas).

Em Sandman # 05 de outubro/novembro de 1975 na seção de carta é possível ver que os rumos em que a série ia não agradavam a todos.


Leiam o texto e tirem suas conclusões da vida curta da série.

Em tempo:

The Sandman (Wesley Doods) surgiu na Era de Ouro dos quadrinhos em série na revista Adventure Comics. Com a onda dos super-heróis trocou de uniforme de vigilante para herói e ganhou até parceiro o Sand, the golden boy.

Com o final da Era de Ouro só apareceu em história da Sociedade da Justiça, em especial no encontro de 1974 entre a Sociedade e a Liga.

Em 1975 Fleisher & Kirby ressuscitou o conceito do personagem, agora auxiliado por dois monstros Brute & Glob. A série teve curta duração. Posteriormente descobriu-se que este Sandman se suicidou.




Em 1.987 Roy Thomas na série Infinity, Inc. transformou o Hector Hall, o herói conhecido como Escaravelho de Prata (filho do Hawkman da Era Ouro e noivo da Fúria) em Sandman após sua morte.






















Corporação Infinito #49, inédito no Brasil


Foi tudo um mal entendido: Hector está vivo!



Em 1.989, no arco “A casa de bonecas” da série Sandman de Neil Gaiman, o autor usa inteligentemente os conceitos anteriores: Brute e Glob são, na verdade, dois pesadelos que fugiram do Sonhar enquanto Sonho (o verdadeiro e definitivo Sandman, criado por Neil Gaiman) esteve aprisionado por setenta anos.



Ao longo deste período eles iludiram alguns humanos, no caso os Sandmen de 1.975 e de 1.987-88.

Sonho envia o Escaravelho/Sandman para o descanso definitivo, já que sua alma estava aprisionada naquela porção do Sonhar e avisa à Fúria que o menino que ela espera, tendo sido concebido no Sonhar, é seu!

O menino será Daniel, e após a morte do aspecto de Sonho conhecido como Morpheus por Fúria, influenciada por forças místicas, o garoto assume o papel de Sonho. Sonho/Daniel é o atual senhor do Sonhar.

Com o grande sucesso de Sandman de Neil Gaiman, o primeiro Sandman ganhou uma série de mistério situado nos anos 1930-1940 escrita por Matt Wagner e chamada Sandman: Mistery Theatre. Esta série foi publicada por aqui no almanaque Vertigo da Editora Abril e em diversas séries da Metal Pesado/Tudo em Quadrinhos Editora. Apesar de vida longa a série não foi um sucesso nem de crítica, nem de público.

Doods já velho, participou das séries da Sociedade da Justiça na década de 1990 e também da série Starman de James Robinson, e continuaria vivo até a reunião da Sociedade da Justiça em 1.999, sendo que a primeira edição começa em seu funeral.

Sua morte, mostrada em JSA Secret Files & Origins # 1 é considerada ponto pacífico nos quadrinhos, mas é mais dramática do quê necessária: ele se suicida para não revelar à Mordru a localização da criança que será o próximo Senhor Destino... e tchan-ran-ran o próximo mago será Hector Hall que volta a ocupar um corpo físico concebido pela união de Rapina e Columba!

Infelizmente numa decisão errada a DC decide matar Hector em Dia de Vingança uma das séries que precedeu Crise Infinita. Neste momento, depois de anos sofrendo no selo Vertigo, onde inclusive teve uma série pintada por John Bolton – e publicada no Brasil pela Pixel – Fúria havia reencontrado o amado e já vivia com ele em relativa paz. Morreram juntos!

Sand Hawkings, o Sandy, the golden boy e razão do cross-over de 1.974 entre Liga e Sociedade, finalmente controlando definitivamente seus poderes, se torna membro e financiador da Sociedade na série JSA (1999).

Após o arco “Príncipes das Trevas” ele desaparece, mas ressurge e em Justice Society of America v3 (2005), a série seguinte da equipe torna-se o atual Sandman da editora.

Apesar do tom da série, bem familiar, sabe-se que Sand é amaldiçoado com pesadelos de crimes e só pode descansar após solucionar o crime razão do pesadelo. Caso tente dormir tem horrendos pesadelos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…