Pular para o conteúdo principal

A Vertigo no Brasil

A Vertigo surgiu em 1.992 quando a editora de grupo Karen Berger reuniu uma série de publicações de cunho místico, sobrenatural, terror, gótico, psicodélico, satânico ou fábula e criou o selo que homenageia o nome original do filme de Alfred Hitchock, Um corpo que cai. Não é a primeira apropriação na indústria da palavra, já que além do filme, houve também o selo musical Vertigo, famoso por causa da banda Dire Straits.
Apesar de surgido em 92 o embrião é da década de 1970 com as séries de terror da editora – na verdade houve um filão de terror para quadrinhos em todos as editoras.
O selo oficialmente surgiu por aqui na coletânea “Vertigo” da Editora Abril com 12 edições, tendo em suas páginas Hellblazer, Sandman: Teatro do Mistério, Livros da Magia, Jonah Hex e Sebastian O. Logo a Editora Globo & Devir Livraria retornaram a publicação de Sandman, alcançando a fase em que a série já usava o selo.

Vertigo, a revista, sofreu censura interna em função dos temas satanistas e foi cancelada, dando espaço para a Metal Pesado a partir de 1998 com Patrulha do Destino (Saindo dos escombros) a publicar esporadicamente e nos dois anos seguintes mensalmente uma grande quantidade de séries do selo.

Entre 1999 e 2001, a editora publicou Hellblazer, Como matar o seu namorado, O extremista, Preacher, Mistério divino, Vamps, Livros da Magia, Monstro do Pântano, Homem Animal, Sandman: Teatro do mistério, entre outros. A Metal Pesado mudou de nome várias vezes primeiro para Tudo em Quadrinhos, e depois para Editora Atitude com mudanças em seus quadros editorias, mas se afastou do mercado.
Nesta época a Editora Abril comprou um lote de histórias e publicou alguma coisa do selo: O santo dos assassinos (ligado ao sucesso Preacher), Crime & Castigo (história policial de Garth Ennis), O mundo de 2020 e Bloody Mary.
A próxima editora foi a Brainstorm que publicou Hellblazer, Os Invisíveis, Preacher, Sandman (republicação de séries mensal e encadernado em preto & branco), Monstro do Pântano (encadernado em preto & branco), Homem Animal (encadernado em preto & branco), Sandman Apresenta e Transmetropolitan. Com um acidente de longa recuperação o editor teve que se afastar do ramo por um tempo e as séries foram adquiridas por outras editoras.
A próxima editora foi a Opera Graphica, que publicou ao mesmo tempo que a Brainstorm, ainda que pouco., em especial a série “100 Balas”, um encadernado de Jonah Hex e dois volume de “Y, o último homem”. Seguimos para a Devir Livraria que privilegiou álbuns de Hellblazer e Preacher, tentando finalmente concluir a publicação da série do Pastor Jesse Custer no Brasil, sem sucesso já que começou do primeiro arco novamente. A Devir foi responsável por publicar a série Fábulas, um grande sucesso nos EUA. A Conrad, editora de mangas e livros, que já havia publicado “Deuses Americanos” de Neil Gaiman comprou a exclusividade temporária para lançar a série Sandman em 10 encadernados de capa dura – assim como o encadernado da Morte – e lançou a uma média de 3 publicações por ano entre 2003/2007.
A Panini também publicou o selo, já na época da exclusividade da Pixel Media, comprou o álbum de autor “Os Leões de Bagdá” de Brian K. Vaughan (Ex Machina, Y).
Finalmente chegamos a Pixel Media, que publicou 21 números mensais de Pixel Magazine e 4 números de Pixel Fábulas – além de Vertigo tivemos neste período ABC e Wildstorm. Manteve assim uma razoável constância de material do selo mensalmente nas bancas, privilegiando a fase de Brian Azzarello em Hellblazer, vista por muitos como fraca e excessivamente americana. A Pixel reiniciou a série Preacher desnecessariamente e atirou em direção a váriao encadernados, republicando inclusive a primeira fase de Alan Moore em Monstro do Pântano. Terminado a exclusividade da Conrad sobre Sandman, relançou a obra em novo formato, mas já no final de sua fase à frente do selo.
Finalmente em agosto de 2.009 os selos Vertigo e Wildstorm são adquiridos pela Panini que irá publicá-los no Brasil em encadernados e uma série mensal.
Não houve menção direta ao selo ABC, apesar de já ter sido divulgado que a Panini estaria preparando uma edição de “A Liga dos Cavaleiros Extraordinários”, volumes 1 e 2, para dar suporte ao lançamento das edições “O dossiê negro” – ainda pela ABC – e “Volume 3”, já pela nova editora americana de Alan Moore.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…