Pular para o conteúdo principal

Crise Final Especial – A vingança dos vilões

Numa gostei das dezenas de especiais que são lançados quando as editoras americanas de quadrinhos produzem suas sagas.

Qual foi a importância de “Batman: Blackgate, Ilha de homens” depois que terminou o “Terremoto”? Nada! Nenhuma! A própria história da edição especial não acrescentava nada à trama!
Mas leitores são compulsivos e finalmente depois de anos encontrei uma edição que vale a pena: A vingança dos vilões.

O melhor da edição é que ela é uma coisa boa em uma saga muito ruim. “Crise Final” trata de uma nova tentativa de Darkseid de dominar a Terra e a equação antivida. Escrita por Grant Morrison e com final explosivo a saga dividiu opiniões, ainda que todo mundo reconhecesse que era uma conclusão para as histórias do “Quarto Mundo de Jack Kirby”.

De uma série ruim, seria possível então sair algo bom?

Sim!

Na verdade saiu duas coisas excelentes: A vingança dos vilões e a Legião dos 3 mundos, não por acaso, ambas escritas por Geoff Johns.

Ao final de “Crise Infinita” (2004), o terceiro Flash (Wally West) vai para a Força da Aceleração e deixa seu cargo com Impulso (Bart Allen), neto de Barry Allen. Como quarto Flash, Bart tem carreira curta, sendo assassinado pela Galeria dos Vilões (The Rogue, em inglês) que foi manipulada por Inércia, um vilão do Impulso.

Flautista e Trapaceiro fugiram durante o evento “Contagem Regressiva” e a Galeria foi exilada em “Planeta dos Condenados”.

Retornando à Terra a Galeria decide não se aliar ao vilão Libra, que foi responsável pela morte do Caçador de Marte e está sendo o precursor de Darkseid em “Crise Final”. E para diminuir a atenção sobre si, decidem prender Inércia, libertado por Professor Zoom, o Flash Reverso.

Escrito por Geoff Johns, com o lápis poderoso de Scott Kolins e cores vibrantes a edição vale a pena e consegue cumprir a missão de ser uma boa história sem ter que explicar os detalhes da série principal.

Termina deixando claro que Barry está vivo na força da aceleração e está voltado!

Vale a pena!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…