Pular para o conteúdo principal

All-Star Comics presents the legendary Justice Society of America, IV

Em All-Star Comics # 72 é a vez de surgir a Espinho e então o chefe Farber da polícia local pedir o auxílio da SJA, que agora tinha oficialmente em suas fileiras a Caçadora.

Por Levitz, Staton e Layton durante o primeiro encontro da vilã com a equipe Pantera é ferido, e pouco depois descobre-se que o destino certo é a morte do herói.

Não há novidade alguma na história e logo percebe-se que Espiro está aliada à Mestre dos Esportes e à vilã da Mulher-Maravilha com o mesmo nome da filha do Batman.

Na segunda e terceira história com finais de Joe Giella o combate das Caçadoras na sede da Sociedade que foi invadida pela vilã e os vilões atacando Joan Garrick – esposa do Flash. Há uma sensação de história fuleira, cheia de ações intermináveis e sem um pingo de inteligência, algo bem próprio dos anos 1.990.

Depois de derrotados os heróis contra atacam, conseguem as informações e aparelhos que necessitam, prendem os vilões e salvam o Pantera.

Nas duas edições (72 e 73) a trama da sombra que atacou o Sr Destino e o Gavião Negro (com uma variação do uniforme, percebam) recebe apenas uma página, mas a conclusão vem na última edição de All-Star Comics, a de número 74 de setembro/outubro de 1.978.

A trama muda para o foco místico, já que o Master Summoner avisou Destino e Gavião sobre um caos para breve e os heróis tentam impedir, está que percebem que as energias desprendidas no esforço é que alimentam o místico. Uma história longa, com boas tomadas de ação mas sem um desenvolvimento natural e sim abrupto. Apesar de praticamente todos os membros desta fase da Sociedade da Justiça participarem para impedir o caos que surge em vários lugares, tudo fica mal desenvolvido, mal ajustado, mal feito.

Não custa lembrar que havia algumas sutis distinções entre Terra-1 e Terra-2. Durante esta série de aventuras descobrimos que a África do Sul não tem apartheid e Montreau é a capital de uma nação franco-canadense com o nome de Quebec. No contexto geral não altera nada e certamente eram as visões dos autores para um mundo melhor ou pior.

Com isso termina as histórias da Sociedade da Justiça em All-Star Comics, que seria cancelada – apesar de haver uma promessa de história no número seguinte. A partir da edição #461 de Adventure Comics (jan-fev/1979) – ou seja apenas dois meses depois de encerrada a fase em All-Star – a equipe da Terra-2 voltaria à atenção dos leitores numa série que ficaria famosa por dividir as páginas com várias séries de valor como Desafiador e Aquaman, além de material adicional para Mulher-Maravilha, Lanterna Verde e Flash.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…