Pular para o conteúdo principal

All-Star Comics presents The Legendary Justice Society of America, parte 1

Terminada a primeira parte do retorno da equipe (veja aqui), temos um arco de transição. Paul Levitz é o roteirista, Joe Staton o lápis e Bob Layton os finais, e nota-se que Levitz deseja dar relevância para Robin (abandonado depois do arco de estréia da série) e toda a trupe de Gotham City.

Assim, nas edições All-Star Comics #66-67 (maio-junho/julho-agosto de 1977) a equipe volta do passado, onde permaneceu o Cavaleiro Andante, e encontra a Sociedade da Injustiça no quartel.


Os vilões derrotam e capturam alguns membros, mas logo a equipe se divide e consegue reaver os amigos, não antes de perceber que alguém estava mancomunado com os vilões, na verdade um habitante das profundezas chamado “Ayrn, the underlord”, comandante daqueles típicas raças que irão confrontar o povo da superfície.

Ridículo, eu sei!

Mas um sub-plot ganha força na história. Allan Scott está sendo controlado mentalmente pelo Pirata Psíquico, que o faz destruir a sede dos estúdios de TV e o Comissário Bruce Wayne – que já havia recebido um telegrama de Robin comentando que alguns membros da SJA agiam de maneira estranha – investiga a questão.


O incômodo de Wayne é tão grande que atraí o Sr. Destino para dar explicações e confrontar o então comissário, que prefere intimar os amigos assim que retornarem para Gotham City – a sede da equipe é nesta cidade.

Na edição #68 o foco é a batalha entre o Lanterna Verde que grita que está falido por que não pode gerenciar seus negócios pois estava salvando a cidade. Após uma pequena batalha, o controle do Pirata se estende ao Flash. Finalmente a equipe encontra a base do vilão e após todos os heróis serem derrotados, o pugilista Pantera consegue derrotar o Pirata.

Cresce a tensão da trama que o Comissário Wayne cria. Acreditando que a equipe está sob controle externo, une-se à Robin, que retornou à América com Homem-Hora (ferido edições atrás pelo Geada e em recuperação na África do Sul) para formar uma equipe para enfrentar os amigos.

Entre as edições #68 e #69, acontece o encontro das anual da Liga e Sociedade em Justice League of America #147 com a Crisis in the 30th Century (veja aqui).

Finalmente a trama se conclui na edição #69, quando o Comissário Wayne joga Starman, Dr Meia-Noite e Mulher Maravilha, além de Robin e Homem-Hora contra a outra parte da Sociedade da Justiça. No fim, a trama que realmente estava ficando tensa, especialmente levando-se em conta o ano de produção (as coisas eram mais simples nos anos 1.970), termina quando o Sr Destino livra Wayne do controle do Pirata Psíquico. Junto com a morte da esposa recente (narrada em DC Super-Stars #17, já publicada no Brasil) Wayne se tornou um alvo fácil para o vilão.

Observando a equipe está a Caçadora (The Huntress, no original) da qual falarei mais longamente no próximo post da SJA.



Na edição #68 parece que alguém percebeu que a Poderosa voava, enquanto seu primo, Kal-L só saltava e tentam em vários momentos corrigir isto.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…