Pular para o conteúdo principal

Crise Final # 05 e as doutrinas do mercado

Vamos devagar com o andor, que o santo é de barro!

Para entender tudo que é Crise Final vocês tem que conhecer um pouco da estrutura da Saga do Quarto Mundo (veja aqui e aqui), que já falei.

Mas também tem que entender o momento do mercado. Vou tentar colocar algumas coisas à luz.

Nos anos 1.990 o mercado estava inundado de várias séries que se estendiam além da própria série inicial. Eram os cross-over, as sagas ou as referências (os tais tie-in).

Quando Joe Quesada assumiu a Marvel em 99/2000, apesar de alguns erros iniciais (como a primeira série de Justiceiro pelo selo Marvel Knights) um de seus grandes acertos foi eliminar os grandes cross-overs.

Ele voltaram, sim, mas num formato diferente. Agora um escritor tinha 1, 2 ou 4 anos para contar uma história!

Em Demolidor foi assim. Bendis narra uma excelente história do personagem, mas que dura quatro anos, e ele, intencionalmente, não põe um ponto final!

Joss Whedon tem dois anos para narrar uma história dos X-Men sob sua ótica e o já citado Bendis tem cinco anos para narrar uma história dos Vingadores.

Cinco anos!

Alguns diriam que é enrola.

Eu mesmo, às vezes!

Mas ao reler as passagens noto que há nexo entre as partes do todo, e que estas partes individualmente me satisfazem – mas como já disse, nem sempre totalmente.

O mercado está viciado com séries longas. Terra X e Paraíso X em 12 partes! Justiça, também! Vingadores x Invasores, idem (nos EUA)! Guerra Civil tem sete! Invasão Secreta tem seis! O Mundo contra Hulk tem um tanto! Dinastia M acho que também são 8 partes (nos EUA)!

Vendo o negócio funcionar para a Marvel, a DC só copiou o formato – o quê, diga-se de passagem, já gerou críticas com a série “A noite mais densa” que a cada mês tem destronado a Marvel Comics e é muito boa; em “Siege” a próxima saga da Marvel a editora quer estudar outros formatos fazendo um produto menor para não cansar os leitores. Sei.

É simplesmente por isso que Crise Final tem sete partes. E pode ser dividida em início (partes 1, 2 e 3), meio (4 e 5) e finalização (6 e 7).

No início descobre-se que Darkseid tem um novo plano para a Terra – tudo isso permeia os títulos da editora há meses, veja “Contagem Regressiva” e “7 Soldados”.

No meio, após a liberação da equação anti-vida os heróis sofrem baixas e são apresentados focos de resistência e, finalmente, como veremos, a série irá terminar.

A DC também copia o formato da Marvel, que prefere não fazer cross-over em suas séries mensais. Desde “Dinastia M” a Marvel cria uma série limitada para narrar o cross-over, garantindo a venda da série mensal do personagem e do cross-over.

Em Crise Final vários personagens ganharam séries e edições especiais, entre eles A vingança da galeria dos vilões, O testamento do Geoforça, Requiem, Submissão, Resistência, Apocalipse e A Legião dos 3 Mundos.

A série principal pode ser lida sem estes enxertos e os enxertos podem ser lidos sem a série principal.

Por sinal a relação entre A Legião dos 3 Mundos e Crise Final é nenhuma!

Nas séries mensais da editora há pouca ou nenhuma referência ao que está acontecendo no universo DC.

Assim chegamos à quinta edição.



Com texto de Grant Morrison, lápis de JG Jones e Carlos Pacheco e finais de Marco Rudy e Jesus Merino, começa a reviravolta na trama. Os guardiões do Universo percebem (novamente) que não são infalíveis e que mesmo seus Lanterna Alfa podem ser corrompidos. Na Terra a resistência começa a armar seu plano de ataque ao mesmo tempo em que Darkseid renascido, se estabelece como deus/líder/soberano do mundo e começa a surgir no horizonte o “Quinto Mundo”.

Além de várias páginas de luta, como este tipo de evento tem que ter, chama a atenção a resistência da genialidade humana e sua capacidade de se reinventar representada aqui na solução de um problema matemático. É em suma o toque de Morrison que explica que o ser humano até pode ceder diante de uma situação, mas graças à sua inventividade ele continuará procurando uma solução que favoreça a sua inteligência.

No mais uma boa edição que casa com todo o conjunto anterior.

Veja aqui aqui a listagem de todas as Crises.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…